Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/11/2019 - 16h00min. Alterada em 29/11 às 16h00min

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda, mas têm maior ganho mensal desde junho

As bolsas de Nova Iorque encerraram a sexta-feira (29) em queda, em pregão encurtado e marcado pela baixa liquidez após o feriado de Dia de Ação de Graças desta quinta-feira (28). Mais uma vez, o centro das atenções de negociadores foi o conflito sino-americano. Ao longo de novembro, no entanto, os principais índices registraram o maior ganho mensal desde junho.
As bolsas de Nova Iorque encerraram a sexta-feira (29) em queda, em pregão encurtado e marcado pela baixa liquidez após o feriado de Dia de Ação de Graças desta quinta-feira (28). Mais uma vez, o centro das atenções de negociadores foi o conflito sino-americano. Ao longo de novembro, no entanto, os principais índices registraram o maior ganho mensal desde junho.
O Dow Jones caiu 0,40%, a 28.051,41 pontos, mas registrou avanço de 0,63% na semana. Já o S&P 500 cedeu 0,40%, a 3.140,98 pontos, e acumulou ganho semanal de 0,99%, enquanto o Nasdaq recuou 0,46%, a 8.665,47 pontos, mas subiu 1,71% na semana.
No mês, o Dow Jones ganhou 2,47%, o S&P 500 subiu 2,42% e o Nasdaq avançou 3,33%. Após uma sequência de recordes, os resultados configuram o maior ganho mensal desde junho, em meio a uma melhor perspectiva de indicadores econômicos e uma leitura geral de que os EUA e a China se aproximam de um acordo comercial inicial.
Na última quarta-feira (27), contudo, após o fechamento do mercado, Trump sancionou uma lei de apoio a manifestantes de Hong Kong. O texto prevê sanções a indivíduos acusados de violar direitos humanos em repressão aos protestos no território semiautônomo e sugere a fiscalização periódica das garantias de liberdade na região. Um comunicado do Ministério das Relações Exteriores chinês reiterou críticas à lei e disse que haverá retaliações.
No pregão marcado pela baixa liquidez, após o feriado de ontem, o subíndice do setor de energia do S&P 500 liderou a queda (-1,01%), pressionado pelo forte declínio nos preços do petróleo. Na commodity, pesam as incertezas sobre a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) sobre a manutenção ou ampliação do atual pacto de corte da produção. O cartel se reúne na semana que vem.
Em meio à Black Friday em solo americano, que durante a manhã já tinha registrado vendas online de US$ 600 milhões, no caminho para terminar o evento com vendas do montante de US$ 7,4 bilhões, segundo a Adobe Analytics, as ações de grandes varejistas não firmaram direção única. O papel do Walmart subiu 0,28%, mas o da Amazon caiu 0,97% e o da Target cedeu 0,71%.
Na próxima semana, tem início o período de silêncio do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) antes da próxima decisão de política monetária, no dia 11 de dezembro, quando a expectativa majoritária é de manutenção da taxa atual de juros. O destaque ficará com indicadores da indústria e o relatório de empregos (payroll) americano, na sexta-feira. / Com informações da Dow Jones Newswires
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia