Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de novembro de 2019.
Dia do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Edição impressa de 25/11/2019. Alterada em 24/11 às 22h28min

Black Friday deve ter maior faturamento da década

Integração entre lojas físicas e virtuais é estratégia para vender mais

Integração entre lojas físicas e virtuais é estratégia para vender mais


/NÍCOLAS CHIDEM/JC
Eduardo Lesina
A Black Friday já se consolidou como uma das cinco datas mais importantes para o varejo brasileiro. Caracterizada por ofertas e descontos, a data mantém forte presença no e-commerce, mas segue expandindo também para as lojas físicas.
A Black Friday já se consolidou como uma das cinco datas mais importantes para o varejo brasileiro. Caracterizada por ofertas e descontos, a data mantém forte presença no e-commerce, mas segue expandindo também para as lojas físicas.
Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Black Friday 2019 deve movimentar R$ 3,67 bilhões com as vendas na próxima sexta-feira (29), atingindo o maior faturamento da década.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Há 10 anos, quando a Black Friday estreou no Brasil, a CNC registrou faturamento de R$ 94 milhões no varejo. De 2010 a 2018, a data teve um crescimento de mais de 25%. No comparativo com o último ano, descontando a inflação, o evento deve apresentar um crescimento de 6,8%. O aumento nominal foi de 10,5%.
A expansão no faturamento da data, que tem crescido ano após ano desde 2010, está atrelada a uma mudança nos hábitos de consumo no mundo inteiro, voltada ao varejo eletrônico. Para o economista da CNC, Fábio Bentes, não há apenas uma razão que explique a expansão da data durante a última década.
"Com o passar dos anos, a Black Friday foi incorporando outros segmentos do varejo. Pode-se dizer que, dos 10 segmentos do varejo, hoje, sete deles já têm na Black Friday uma data importante", explica. Bentes relaciona o crescimento não somente pela mudança de hábito de consumo, mas também porque, ao longo do tempo, diversos segmentos foram embarcando na Black Friday.
Para 2019, o segmento de eletroeletrônicos e utilidades domésticas deve se manter como o principal destaque, com previsão de movimentação financeira de R$ 929,4 milhões - representando cerca de 25% dos gastos totais esperados para o evento. Segundo o levantamento realizado pelos idealizadores da Black Friday no País, os produtos que apresentaram maior intenção de compra para 2019 são: smartphones (37%); eletrodomésticos (36%); televisores (29%); informática (24%); e móveis e decoração (22%).
Conforme o levantamento realizado pela marca Black Friday, o Rio Grande do Sul deve concentrar cerca de 4% do faturamento total durante o período ativo do evento, ultrapassando a marca de R$ 161 milhões. Porto Alegre é a cidade com maior representatividade dentro do Estado, movimentando mais de R$ 57 milhões. No comparativo nacional, a Região Sudeste segue concentrando o maior faturamento em número absolutos, com 59%.
Mesmo tendo uma forte presença no ambiente digital, os varejistas preparam estratégias para otimizar a experiência do consumidor durante a Black Friday. O diretor Regional Sul da Via Varejo, administradora das Casas Bahia e do Pontofrio, Aquiles Neves, comenta: "Percebemos que a integração, entre as lojas virtuais e físicas, é um caminho cada vez mais natural, por isso estruturamos as lojas, alinhamos os sistemas e capacitamos cada vez mais nossos vendedores".
Para a Black Friday deste ano, a Casas Bahia aumentou seu quadro de funcionários em 30%, além de dobrar a frota de veículos, e preparou parte das lojas da rede para servirem como pontos de distribuição dos produtos. "O objetivo é dar mais agilidade aos nossos vendedores, facilitando as operações e dando mais conveniência aos clientes", comenta Neves.
Embora a data seja mais presente no varejo, outros setores também passaram a incorporar a Black Friday no seu planejamento. Assim como as já características quedas nos preços das passagens aéreas na época do evento, outros campos do setor de serviço têm assimilado a Black Friday no seu planejamento anual. "A tendência é de que mais setores entrem no evento, principalmente os serviços que podem exercer descontos pontuais", analisa Bentes.
Assimilando essa tendência, a Oi, operadora de telefonia, apostou nas ofertas em planos, tanto para o fixo quanto para o móvel. Para a Black Friday 2019, a operadora oferece períodos promocionais, como o primeiro mês grátis com a Oi Fibra, e um número maior de dados nos plano pós-pago e controle. "As ofertas da Oi na Black Friday evidenciam o posicionamento pró-consumidor da companhia, a fim de garantir a melhor experiência para os clientes", afirma Roberto Guenzburger, diretor de Marketing Varejo e Empresarial da Oi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia