Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Edição impressa de 21/11/2019. Alterada em 21/11 às 03h00min

Governo cria estatal para o espaço aéreo que substituirá a Infraero

Infraero é detentora de 49% de Guarulhos, Galeão, Brasília e Confins, concedidos durante o governo PT

Infraero é detentora de 49% de Guarulhos, Galeão, Brasília e Confins, concedidos durante o governo PT


/NICO KAISER/VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira a lei que cria a NAV Brasil, primeira estatal instituída pelo governo federal desde 2013. A nova empresa pública ficará responsável pelo controle do espaço aéreo do Brasil, atribuição até então da Infraero, estatal que controla os aeroportos púbicos.
O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta quarta-feira a lei que cria a NAV Brasil, primeira estatal instituída pelo governo federal desde 2013. A nova empresa pública ficará responsável pelo controle do espaço aéreo do Brasil, atribuição até então da Infraero, estatal que controla os aeroportos púbicos.
A NAV, que é resultado da cisão da Infraero, ficará com as receitas das tarifas de navegação aérea. Vinculada ao Ministério da Defesa, por meio do Comando da Aeronáutica, a nova estatal herdará 2 mil empregados que já atuam na área de controle de tráfego aéreo.
A justificativa de sua criação foi diminuir o prejuízo da Infraero, que perdeu receita após a privatização de aeroportos rentáveis. A NAV vai concentrar os serviços que não serão privatizados. O Ministério da Infraestrutura planeja repassar para a iniciativa privada todos os aeroportos administrados pela Infraero até 2022.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia