Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aeroportos

Edição impressa de 20/11/2019. Alterada em 20/11 às 12h35min

Fraport entrega obras e anuncia construção de terminal de cargas no Aeroporto de Porto Alegre

Autoridades prestigiaram a entrega das obras e ouviram Andreea (à direita) projetar mais investimentos

Autoridades prestigiaram a entrega das obras e ouviram Andreea (à direita) projetar mais investimentos


JOEL VARGAS/PNMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
O dia era de prestar contas da primeira fase de obras do Aeroporto Internacional Salgado Filho, ou agora Aeroporto de Porto Alegre, mas a concessionária alemã Fraport veio com outra novidade sinalizando novos investimentos. A CEO da Fraport Brasil, Andreea Pal, anunciou que será construído um novo terminal de cargas com previsão de começar a operar em 2021. O terminal logístico não está no contrato com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) como obrigação da Fraport, mas é considerado crucial para alavancar a capacidade de negócios do complexo aeroportuário. 
O dia era de prestar contas da primeira fase de obras do Aeroporto Internacional Salgado Filho, ou agora Aeroporto de Porto Alegre, mas a concessionária alemã Fraport veio com outra novidade sinalizando novos investimentos. A CEO da Fraport Brasil, Andreea Pal, anunciou que será construído um novo terminal de cargas com previsão de começar a operar em 2021. O terminal logístico não está no contrato com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) como obrigação da Fraport, mas é considerado crucial para alavancar a capacidade de negócios do complexo aeroportuário. 
A Fraport assumiu o Salgado Filho em janeiro de 2018. "Vamos iniciar investimentos no terminal de cargas novo e temos outros planos", disse Andreea, já no final do ato ao lado da área nova do Terminal de Passageiros, único em operação, após o fechamento do antigo terminal, onde o aeroporto teve a primeira sede. A CEO não revelou o montante do aporte e não quis adiantar quais são os "outros planos". "O terminal (de cargas) vai ser maior do que o atual", acrescentou ela. O Terminal de Logística de Cargas (Teca) em funcionamento tem 5,5 mil metros quadrados. 
A Infraero, quando era gestora, anunciou em 2010 investimento de R$ 80 milhões em um novo Teca, que teve a construção interrompida próximo à estrutura dos Bombeiros, no sítio aeroportuário, devido a problemas nas fundações. O pilares das fundações podiam ser vistos na lateral da pista, à direita do terminal, olhando de frente, tanto em decolagens como nos pousos de aeronaves.
Andreea disse que a concessionária já está recebendo propostas de construtoras para executar o projeto. Uma das componentes e líder do atual consórcio das obras - a HTB - informou que fez oferta para disputar o projeto, segundo o CEO da empresa, Detlef Dralle, que acompanhou a entrega da primeira fase. O ato teve ainda a presença do ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que indicou a entrega das obras em Porto Alegre como um dos êxitos do modelo de concessões do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), do governo federal.  
A antiga área projetada previa 23 mil metros quadrados e elevar a capacidade de movimentação de cargas de 35 mil toneladas para cem mil toneladas ao ano. A CEO da Fraport também comentou que há adequações para a operação que devem ser feitas com a Receita Federal (RF). A Superintendência da RF explicou que já repassou os requisitos da estrutura alfandegária e aguarda o projeto da empresa para dar o aval.
"Vamos construir bastante rápido, em dois a três meses, definimos e começamos", garantiu a executiva. O tempo de obra é estimado em um ano a 15 meses. A operação do novo Teca não está condicionada à finalização da ampliação da pista, assegurou Andreea.     
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/19/206x137/1_lp_191119___fraport__10_-8904173.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5dd41f314d087', 'cd_midia':8904173, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/11/19/lp_191119___fraport__10_-8904173.jpg', 'ds_midia': 'Fraport apresenta conclusão de primeira fase de obras de infraestrutura no Aeroporto', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Fraport apresenta conclusão de primeira fase de obras de infraestrutura no Aeroporto', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Ampliação do terminal de passageiros faz parte das obras da primeira fase. Foto: Luiza Prado/JC   
O CEO da Fraport AG, companhia alemã, Stefan Schulte, destacou que as obras mostram o que é possível fazer quando se encontram áreas do governo, órgãos reguladores e uma empresa experiente na área de aviação. Schulte disse que a empresa quer transformar o aeroporto de Porto Alegre em referência de voos. 
“Não vamos parar por aí, com a ajuda dos governos federais e do Estado, estamos comprometidos com a ampliação da pista”, apontou o CEO. A ampliação vai permitir que o complexo possa operar com mais intensidade com mercados da América do Norte e Europa.
A primeira fase de entregas representa 74% da previsão contratual das obras. O valor global do investimento é de R$ 1,8 bilhão, sendo R$ 600 milhões da pista. A empresa alemã obteve R$ 1,25 bilhão de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O pacote finalizado tem novo edifício-garagem com 1.050 vagas, ampliação do terminal de passageiros com novas áreas de check-in e embarque nacional e internacional, melhorias de estruturas para usuários e mais espaços no pátio de aeronaves.
O ministro sinalizou novas concessões de aeroportos no Estado, como o de Bagé, Uruguaiana e Pelotas, no segundo semestre de 2020, além de investimentos nos terminais de Santa Maria, Passo Fundo, Santa Rosa, Caxias do Sul e Santo Ângelo. Freitas apontou a redução de ICMS sobre querosene de aviação, medida baixada em decreto do governador Eduardo Leite, como mecanismo para impulsionar a aviação regional. 

Prefeito promete concluir até março remoção de famílias para ampliar pista

Pista vai passar de 2.280 metros para 3,2 mil metros e vai permitir pouso de aeronaves de maior porte

Pista vai passar de 2.280 metros para 3,2 mil metros e vai permitir pouso de aeronaves de maior porte


JOEL VARGAS/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Uma obrigação contratual e a mais complexa é a ampliação da pista de pousos e decolagens, que vai passar de 2.280 metros para 3,2 mil metros e que está na etapa de preparação da área, com intervenções na drenagem. A pista mais alongada vai permitir que aviões de maior porte, tanto em capacidade de passageiros como cargas, possam operar no site aeroviário na Capital gaúcha. A ampliação em quase um quilômetro deve ser feita até dezembro de 2021, prazo firmado com a Anac.
Um item crucial para a obra é a remoção das famílias que ainda estão na Vila Nazaré, vizinha ao aeroporto. Parte dos moradores está no traçado da extensão da pista e precisa ser transferida para novas habitações. A intenção é que a remoção atinja as cerca de 1,3 mil famílias saiam do terreno.
O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, confirmou que o assentamento não vai ser concluído até dezembro, como era a meta. Hoje 128 famílias foram realocadas no Loteamento Senhor do Bom Fim. Até fim de dezembro, mais 236 serão transferidas. Ainda faltarão mais de 700 famílias se mudarem para o Loteamento Irmãos Marista, que passa por obras de infraestrutura, com recursos da Fraport.
"A previsão é janeiro e fevereiro, no máximo, até março, para que a Fraport cumpra o cronograma", compromete-se Marchezan, sobre o reassentamento. A remoção chegou a ser suspensa devido a impasse com Ministério Público Estadual e Federal e Defensoria Pública da União e do Estado, que questionaram a sistemática de transferência e obrigações da concessionária. Ação na Justiça cobra que a Fraport arque com as despesas das habitações. "Vamos conseguir superar todos os desafios para terminar as obras no prazo", limitou-se a dizer Andreea.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia