Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 16h59min, 18/11/2019. Atualizada em 16h59min, 18/11/2019.

Ouro fecha em alta com maior busca por segurança em meio a dúvidas sobre acordo

O ouro fechou em alta nesta segunda-feira (18), refletindo o movimento do mercado de busca por ativos de segurança, em meio a dúvidas sobre o acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China.
O ouro fechou em alta nesta segunda-feira (18), refletindo o movimento do mercado de busca por ativos de segurança, em meio a dúvidas sobre o acordo comercial preliminar entre Estados Unidos e China.
Assim, o ouro para dezembro fechou em alta de 0,23%, a US$ 1.471,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
O dia foi de cautela nos mercados, com a incerteza alimentada após notícias vindas do continente asiático. No fim da manhã, a repórter Eunice Yoon, da CNBC, informou que os chineses estão pessimistas em relação ao entendimento entre as duas maiores economias do mundo.
A postura seria uma resposta às declarações do presidente americano, Donald Trump, que, na semana passada, se mostrou inflexível sobre a remoção de tarifas a importações chinesas.
À notícia, investidores reagiram com cautela, diminuindo o apetite por risco e buscando ativos considerados seguros, como o ouro. "O melhor catalisador para o ouro subir é a retração do S&P 500 índice acionário nova-iorquino, considerado um ativo de maior risco", diz Michael Armbruster, sócio-gerente da Altavest.
Comentários CORRIGIR TEXTO