Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Gestão

11/11/2019 - 17h39min. Alterada em 11/11 às 17h39min

ACPA homenageia aos 35 anos do Instituto de Estudos Empresariais

Menu POA na ACPA: homenagem ao IEE 
Na foto: Roberto Rachewsky e Pedro de Cesaro

Menu POA na ACPA: homenagem ao IEE Na foto: Roberto Rachewsky e Pedro de Cesaro


LUIZA PRADO/JC
Thiago Copetti
Os 35 anos de fundação do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), que serão celebrados em dezembro deste ano, foram tema de debate e homenagem na reunião-almoço da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA) desta segunda-feira (11). É a principal entidade voltada à educação e às discussões da ideologia liberal do País, o que abrange da economia à política. Segundo o atual presidente, Pedro De Cesaro, é forte o interesse de jovens empreendedores e gestores em ingressar nos quadro do IEE.
Os 35 anos de fundação do Instituto de Estudos Empresariais (IEE), que serão celebrados em dezembro deste ano, foram tema de debate e homenagem na reunião-almoço da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA) desta segunda-feira (11). É a principal entidade voltada à educação e às discussões da ideologia liberal do País, o que abrange da economia à política. Segundo o atual presidente, Pedro De Cesaro, é forte o interesse de jovens empreendedores e gestores em ingressar nos quadro do IEE.
“Temos 60 sócios efetivos, que vão abrindo espaço, ano a ano, para novos entrantes. Cerca de 15 são renovados a cada 12 meses. Para essas 15 posições há, anualmente, em torno de 100 interessados, que são indicados por associados efetivos ou honorários”, ressalta De Cesaro.
Na homenagem realizada ontem pela ACPA participou também Roberto Rachewsky, um dos fundadores e presidente do IEE entre 1986 e 1987. Rachewsky ressaltou o destaque mundial obtido pelo principal evento organizado pelo instituto, o Fórum da Liberdade, hoje uma referência na discussão de temas liberais não apenas no Brasil. Pelo fórum, já passaram sete prêmios Nobel de Economia, por exemplo. De acordo com De Cesaro, a edição de 2020 contará com outro premiado, além daquele que o presidente do IEE considera o maior empreendedor atual do Brasil, mas cujo nome prefere manter em segredo.
“Faremos uma grande divulgação dessa programação em janeiro. Por enquanto, fica reservado como uma surpresa. Mas certamente, em abril, teremos novamente grandes nomes em Porto Alegre”, diz De Cesaro, que recentemente esteve em Xangai falando sobre liberalismo econômico no Brasil.
O avanço da filosofia liberal no Brasil, hoje, segundo Rachewsky, é visível inclusive dentro de universidades, onde há até há alguns anos havia predominância de estudantes com ideologias mais à esquerda. Agora, diz o empresário, a disputa pelas presidências de Diretórios Centrais de Estudantes (DCEs) encontra também jovens afinados com as ideias liberais concorrendo aos comandos.
“Quando fundamos o IEE, sentíamos falta de um grupo que acreditasse que o Estado deve ser mínimo e se preocupar com segurança, saúde e educação. Em um país continental como o Brasil, isso já é um trabalho gigante, e não faz sentido ficar ordenando cada passo da vida das pessoas e dos empreendedores no seu dia-a-dia”, explicou o ex-presidente do IEE.
Ao falar sobre a situação do Rio Grande do Sul, que enfrenta crise financeira sem precedentes na história e agravada ano a ano na última década, de acordo com Rachewsky, o foco nessas três áreas prioritárias é ainda mais urgente. “Ou o Estado faz isso ou a crise se agravará ainda mais, quebrando definitivamente o Rio Grande do Sul”, alerta o empresário.
Para formar e disseminar esse pensamento liberal no Estado, explicou De Cesaro, o IEE recomenda aos entrantes árdua imersão literária, de estudos de aprofundamento, além de participação em cursos em eventos, que se assemelha a uma pós-graduação. O ciclo completo começa com leituras de livros com os principais pensadores liberais e a produção de textos, o que demanda ao menos entre seis e 18 meses e pode se estender por até quatro anos ou mais.
“Com isso, pensadores que até recentemente eram pouco conhecidos no Brasil se tornaram referências para muitos jovens empresários, estudantes e gestores, como Mises (Ludwig Von Mises, economista austríaco, 1871-1973).
Na reunião-almoço da ACPA deram seus depoimentos como ex-integrantes do IEE dois ativos representantes da política gaúcha que defendem os preceitos liberais, o deputado estadual Fábio Ostermann (Novo) e o vereador Ricardo Gomes (PP), além de Frederico Lanz, que fez parte da primeira diretoria do IEE.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia