Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de novembro de 2019.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

08/11/2019 - 08h04min. Alterada em 08/11 às 08h04min

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em baixa com dúvidas sobre EUA-China

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (8), à medida que voltaram a surgir dúvidas sobre a capacidade de Estados Unidos e China de fecharem um acordo comercial preliminar. Neste contexto, números melhores do que o esperado da balança comercial chinesa não tiveram impacto nos negócios.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (8), à medida que voltaram a surgir dúvidas sobre a capacidade de Estados Unidos e China de fecharem um acordo comercial preliminar. Neste contexto, números melhores do que o esperado da balança comercial chinesa não tiveram impacto nos negócios.
Ontem, o Ministério de Comércio chinês anunciou que Washington e Pequim concordaram em remover tarifas sobre importações um do outro "em fases", a depender do progresso nas negociações para um pacto comercial provisório. Horas depois, porém, a Reuters citou fontes dizendo que o plano de remoção de tarifas sofre "forte oposição" internacional na Casa Branca.
Já o diretor do Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, disse em entrevista à Fox Business que não há nenhum acerto para remover "quaisquer das tarifas existentes" sobre importações chinesas, como parte da chamada "fase 1" de um acordo bilateral. "A única pessoa que pode tomar essa decisão é o presidente (Donald) Trump", afirmou à emissora.
Na China continental, o índice Xangai Composto recuou 0,49% hoje, a 2.964,18 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto caiu 0,19%, a 1.648,68 pontos.
Em meio às incertezas sobre o diálogo sino-americano, o desempenho melhor do que o esperado da balança comercial da China no mês passado acabou ficando em segundo plano. Na comparação anual de outubro, as exportações chinesas tiveram queda de 0,9% e as importações diminuíram 6,4%, segundo dados publicados durante a madrugada. As previsões de analistas consultados pelo The Wall Street Journal eram de reduções mais acentuadas, de 3,1% e 8,6%, respectivamente.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng caiu 0,70% em Hong Kong, a 27.651,14 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi recuou 0,33% em Seul, a 2.137,23 pontos, interrompendo uma sequência de seis pregões de ganhos, e o Taiex cedeu 0,23% em Taiwan, a 11.579,54 pontos.
A bolsa japonesa foi a exceção positiva nesta sexta. O Nikkei subiu 0,26% em Tóquio, a 23.391,87 pontos, impulsionada por ações financeiras e do setor de bebidas.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou praticamente estável, numa sessão marcada por volatilidade. O S&P/ASX 200 teve baixa marginal de 0,04% em Sydney, a 6.724,10 pontos. 
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia