Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de novembro de 2019.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Edição impressa de 08/11/2019. Alterada em 08/11 às 03h00min

Leite recebe minuta de projeto para instituir política de fomento ao etanol

Governador prometeu celeridade no encaminhamento da pauta

Governador prometeu celeridade no encaminhamento da pauta


/THAÍS BASTOS/DIVULGAÇÃO/JC
O governador Eduardo Leite recebeu da Frente Parlamentar do Proetanol da Assembleia Legislativa a minuta de um projeto de lei para instituir a política pública de fomento à cadeia produtiva de etanol no Rio Grande do Sul.
O governador Eduardo Leite recebeu da Frente Parlamentar do Proetanol da Assembleia Legislativa a minuta de um projeto de lei para instituir a política pública de fomento à cadeia produtiva de etanol no Rio Grande do Sul.
"Reconhecemos a importância dessa política para o Estado e, por isso, recebemos com muita alegria essa minuta. Nos comprometemos a fazer uma análise célere e adequada, para podermos, o mais breve possível, encaminhar o projeto. Acreditamos que uma maior produção de etanol pode gerar riqueza, empregos e desenvolvimento para o Estado, além de arrecadar os impostos que hoje estamos exportando", afirmou Leite.
De acordo com o deputado Elton Weber, presidente da frente parlamentar, a produção gaúcha de etanol limita-se a 0,1% do consumo estadual de 1,5 bilhão de litros ao ano. Com isso, cerca de R$ 1 bilhão em impostos vão para outros estados. Além disso, a produção está baseada na cana-de-açúcar, mas poderia vir de grãos e tubérculos.
Um grupo de trabalho formado pelas secretarias da Agricultura, de Desenvolvimento Econômico e Turismo, da Fazenda e de Meio Ambiente e Infraestrutura está estudando o cenário gaúcho para avaliar de que forma o Estado pode estimular a cadeia produtiva.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia