Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanços

Edição impressa de 07/11/2019. Alterada em 06/11 às 21h28min

Movida tem lucro recorde no terceiro trimestre

Companhia está apostando em novos planos de aluguel de veículos

Companhia está apostando em novos planos de aluguel de veículos


/MOVIDA/DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Mello
A Movida, empresa conhecida nacionalmente pelo aluguel de carros e, mais recentemente, também pela venda de seminovos, divulgou ontem o desempenho do terceiro trimestre de 2019 e comemorou, mais uma vez, resultados recordes para o período. A companhia vem acompanhando o comportamento de um setor que não para de crescer devido às mudanças no padrão de consumo dos brasileiros e das tendências em mobilidade.
A Movida, empresa conhecida nacionalmente pelo aluguel de carros e, mais recentemente, também pela venda de seminovos, divulgou ontem o desempenho do terceiro trimestre de 2019 e comemorou, mais uma vez, resultados recordes para o período. A companhia vem acompanhando o comportamento de um setor que não para de crescer devido às mudanças no padrão de consumo dos brasileiros e das tendências em mobilidade.
O lucro líquido apresentou crescimento de 45,8% em relação ao mesmo período de 2018, chegando ao maior valor já registrado pela companhia em um trimestre (R$ 60,2 milhões). O Ebitda (lucro antes dos juros, tributos, depreciação e amortização) também foi o maior já registrado com aumento de 60,6%, chegando a R$ 191,8 milhões no trimestre. O faturamento ultrapassou a marca de R$ 1 bilhão, gerando um crescimento de 54% ano a ano.
O CFO da Movida, Edmar Lopes, destaca que os resultados tão satisfatórios são impulsionados principalmente por dois pontos. O primeiro deles é a alta na procura por aluguel de veículos por pessoas físicas, "cada vez menos interessadas na posse e mais preocupadas com o uso".
A outra questão destacada por Lopes como essencial para impulsionar a receita tem sido o crescimento nas vendas de veículos seminovos desde que a empresa reestruturou essa área, há exatamente um ano. "Com isso, aumentamos a receita proveniente dos seminovos em mais de 90% no terceiro trimestre deste ano na comparação com igual período de 2018", informa.
A Movida vem driblando a crise e apresentando avanços nos resultados desde 2017, quando realizou seu IPO. A abertura de capital permitiu a manutenção da captação de recursos em um momento em que os financiamentos eram escassos e garantiu que "a companhia praticamente dobrasse em três anos".
Para manter-se em crescimento, a Movida aposta em novos planos de aluguel de veículos capazes de se adequar às necessidades dos clientes, em tecnologias capazes de tornar o processo de aluguel mais rápido e seguro (como o QR Code Movida, que reduz o tempo de retirada de veículo na loja ao eliminar as etapas de digitalização de documentos) e em descontos e outros benefícios aos clientes fidelizados. Prova disso é que, atualmente, os dois produtos mais procurados são o Pré-Pago Movida, em que o cliente adquire um número de diárias antecipadamente e pode utilizar ao longo do ano sem reajuste no valor, e o Movida Mensal Flex, aluguel de longo prazo para pessoa física com desconto progressivo de acordo com o tempo em que o contratante fica com o carro.
Lopes acredita, ainda, na retomada de crescimento da economia e nos gastos de brasileiros com turismo e lazer - importantes motores de desenvolvimento do setor. As praças localizadas próximas aos aeroportos são cruciais para a companhia, como a situada nos arredores do Aeroporto Salgado Filho na Capital.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia