Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de novembro de 2019.
Dia Nacional da Cultura, Dia do Cinema Brasileiro e Dia do Designer.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Alterada em 05/11 às 18h08min

Procon multa postos de Porto Alegre por aumentos injustificados no preço de combustíveis

Entre os 20 postos investigados, apenas um conseguiu justificar a alteração nos preços

Entre os 20 postos investigados, apenas um conseguiu justificar a alteração nos preços


Divulgação/PMPA/JC
O Procon Porto Alegre informou que irá multar 19 postos da Capital por aumentos injustificados no preço dos combustíveis. Em nota, o órgão explicou que as notificações foram entregues entre esta segunda (4) e terça-feira (5).
O Procon Porto Alegre informou que irá multar 19 postos da Capital por aumentos injustificados no preço dos combustíveis. Em nota, o órgão explicou que as notificações foram entregues entre esta segunda (4) e terça-feira (5).
Os valores das multas variam de R$ 7.699,15 a R$ 11.729,29. O processo deve ser encaminhado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o qual poderá requisitar novos esclarecimentos e aumentar as penalidades impostas.
A investigação nos postos teve início em julho deste ano, após mais de 100 denúncias de cidadãos contra uma suposta ação coordenada de aumento de preços. À época, uma investigação preliminar do órgão indicou que pelo menos 17 postos praticaram, no dia 9 de julho, um aumento conjunto e repentino de até R$ 0,50 nas bombas. No mesmo dia, em contrapartida, houve uma redução de 4,4% nos valores das refinarias administradas pela Petrobras.
Segundo o Procon Porto Alegre, para uma amostragem de 20 postos foi enviada uma notificação pedindo notas fiscais e justificativas sobre o aumento dos preços. Entre eles, 19 mandaram a documentação requerida e um não respondeu. Após análise, a equipe jurídica do órgão declarou os aumentos injustificados e constatou que ocorreram em circunstâncias semelhantes à formação de cartel. De todos os postos investigados, apenas conseguiu justificar a alteração nos preços.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia