Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria Automotiva

- Publicada em 23h26min, 31/10/2019. Atualizada em 23h25min, 31/10/2019.

Fiat Chrysler anuncia fusão com Peugeot

Acordo resultará na quarta maior montadora de veículos do mundo

Acordo resultará na quarta maior montadora de veículos do mundo


/MARCO BERTORELLO AND JOEL SAGET/AFP/JC
A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e o Grupo PSA, fabricante da Peugeot, anunciaram nesta quinta-feira, que fecharam um acordo de fusão que resultará na quarta maior montadora automobilística do mundo, com valor de mercado de US$ 48,4 bilhões. Pelo acordo, os acionistas da FCA e da Peugeot inicialmente serão proprietários de 50% da nova companhia, segundo comunicado conjunto emitido pelas empresas. Os papéis serão negociados em Nova York, Milão e Paris no pregão da Euronext.
A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e o Grupo PSA, fabricante da Peugeot, anunciaram nesta quinta-feira, que fecharam um acordo de fusão que resultará na quarta maior montadora automobilística do mundo, com valor de mercado de US$ 48,4 bilhões. Pelo acordo, os acionistas da FCA e da Peugeot inicialmente serão proprietários de 50% da nova companhia, segundo comunicado conjunto emitido pelas empresas. Os papéis serão negociados em Nova York, Milão e Paris no pregão da Euronext.
As automobilísticas disseram que esperam gerar € 3,7 bilhões (US$ 4,11 bilhões) em sinergias anuais quando estiverem totalmente integradas e que não há planos de fechar nenhuma fábrica. O presidente da FCA, John Elkann, será o presidente da nova montadora, enquanto o executivo-chefe da Peugeot, Carlos Tavares, atuará como CEO com mandato inicial de cinco anos.
Notícias sobre economia são importantes para você?
A fusão dos grupos cria a empresa mais diversificada da indústria automotiva. As marcas envolvidas somam cinco nacionalidades diferentes: Alemanha, Estados Unidos, França, Inglaterra e Itália. Há ainda as associações com as chinesas Dongfeng (PSA) e GAC (FCA), além de parcerias pontuais com as japonesas Toyota e Mitsubishi.
A união dá aos envolvidos um novo horizonte para a eletrificação. Os grupos não tinham até então divulgado planos sólidos para atender às reduções de emissões que tornam os carros híbridos e elétricos fundamentais para as montadoras.
Em fevereiro de 2018, Carlos Tavares, presidente do grupo PSA, confirmou que a empresa desenvolvia uma linha própria de veículos elétricos. Na época, o executivo mostrou preocupação com os custos envolvidos e a falta de respostas para três problemas: reciclagem de baterias, prazo para retorno dos investimentos e uso político das regras ambientais.
Ainda não há soluções definitivas, mas os grupos que agora se unem não podem mais ficar para trás. As outras três gigantes globais fizeram avanços recentes nessa área.
Comentários CORRIGIR TEXTO