Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 30 de outubro de 2019.
Dia do Comerciário. Dia do Balconista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

siderurgia

30/10/2019 - 10h11min. Alterada em 30/10 às 10h12min

Com parada de alto-forno, Gerdau tem lucro de R$ 289 milhões no 3º trimestre

Ainda por conta da parada, a produção de aço bruto caiu 27% na relação anual

Ainda por conta da parada, a produção de aço bruto caiu 27% na relação anual


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Com o efeito da parada do alto-forno para manutenção, o lucro líquido da Gerdau no terceiro trimestre do ano, de R$ 289 milhões, veio 9% abaixo das estimativas de mercado, que apontavam para um ganho de R$ 317 milhões no período. O lucro líquido ajustado, que foi de R$ 408 milhões, por sua vez, está acima das estimativas.
Com o efeito da parada do alto-forno para manutenção, o lucro líquido da Gerdau no terceiro trimestre do ano, de R$ 289 milhões, veio 9% abaixo das estimativas de mercado, que apontavam para um ganho de R$ 317 milhões no período. O lucro líquido ajustado, que foi de R$ 408 milhões, por sua vez, está acima das estimativas.
Considerando o Ebitda ajustado, de R$ 1,457 bilhão, que desconsidera os efeitos da parada do alto-forno, o montante veio em linha com as projeções, de R$ 1,396 bilhão. A receita líquida reportada no intervalo entre julho e setembro, de R$ 9,931 bilhões, também ficou dentro de esperado, na média de R$ 10,402 bilhões.

Alavancagem cai para 1,96 vez no 3º trimestre

A alavancagem da Gerdau foi a 1,96 vez no fim do terceiro trimestre do ano, ante 2,23 vezes no mesmo intervalo do ano passado. Na relação com o segundo trimestre do ano o indicador subiu, visto que era de 1,89 vez no fim de junho.
A siderúrgica gaúcha cita no documento que acompanha seu demonstrativo financeiro que a redução do indicador na relação anual "foi consequência dos recursos gerados com o plano de desinvestimentos da companhia conduzido nos últimos anos e da geração de caixa livre no período".
A dívida líquida da siderúrgica foi a R$ 12,062 bilhões, diante de uma dívida bruta de R$ 15,494 bilhões descontado o caixa de R$ 3,432 bilhões no mesmo período. O montante representa uma queda de 18% na relação anual e de 4% na base trimestral.
No final do período da Gerdau destaca que 14,6% da dívida bruta era de curto prazo e 85,4% de longo prazo. Ainda em relação ao total, 21,8% era denominada em reais, 77,5% em dólar norte-americano e 0,7% em outras moedas. Já do caixa da companhia, 56% era em dólar, destacando que a Gerdau possui parte relevante de seu negócio na América do Norte.
Para o próximo ano, a Gerdau possui vencimentos de R$ 300 milhões, valor que sobe para R$ 1,3 bilhão em 2021 e R$ 1,6 bilhão em 2022, R$ 1,9 bilhão em 2023 e de R$ 2,6 bilhões em 2024. De 2025 em diante, a dívida bruta a vencer é de R$ 5,5 bilhões.
Os efeitos da parada para manutenção do alto-forno 1 da usina de Ouro Branco da Gerdau foram de R$ 238 milhões no terceiro trimestre do ano, informou hoje a siderúrgica gaúcha. Esse impacto pressionou no período o lucro e o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia.
Ainda por conta da parada, a produção de aço bruto caiu 27% na relação anual, para 1,079 milhão de toneladas no terceiro trimestre do ano. O recuo em relação ao segundo trimestre foi de 33,6%, destaca a companhia. Outro efeito foi o custo de vendas, que subiu no período, visto que a diluição de custos fixos foi menor, mesmo em um trimestre em que houve queda do preço da sucata.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia