Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 25/10 às 08h47min

Confiança do Comércio sobe 1,2 ponto em outubro em relação a setembro, diz FGV

O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) subiu 1,2 ponto em outubro, passando de 97,2 pontos para 98,4 pontos, depois de ter registrado queda em setembro de 1,5 ponto. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,0 ponto, terceira alta consecutiva, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (25). Segundo a FGV, a liberação do FGTS foi um dos pontos que garantiu a recuperação.
O Índice de Confiança do Comércio (ICOM) subiu 1,2 ponto em outubro, passando de 97,2 pontos para 98,4 pontos, depois de ter registrado queda em setembro de 1,5 ponto. Em médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,0 ponto, terceira alta consecutiva, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira (25). Segundo a FGV, a liberação do FGTS foi um dos pontos que garantiu a recuperação.
"A melhora foi influenciada pela evolução positiva dos indicadores de situação atual, possivelmente impulsionados pela liberação de recursos do FGTS, e pela acomodação das expectativas. Para o final do ano, a expectativa é de manutenção desse cenário positivo de recuperação gradual, com novas rodadas de liberações de recursos e com as recentes melhoras do mercado de trabalho", avaliou em nota o coordenador da Sondagem do Comércio da FGV Ibre, Rodolpho Tobler.
Conforme a FGV, a melhora foi influenciada pelo resultado favorável do Índice de Situação Atual (ISA-COM), que subiu 3,0 pontos, ao passar de 92,1 para 95,1 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE-COM) recuou 0,6 ponto, saindo de 102,5 para 101,9 pontos. Apesar da queda, esse é o quarto mês consecutivo em que as expectativas se mantêm acima do nível considerado neutro.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia