Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Edição impressa de 25/10/2019. Alterada em 25/10 às 03h00min

Reforma tributária não deve sair neste ano, avaliam economistas

As chances de aprovação de uma reforma tributária até o próximo ano são vistas como remotas por economistas que apontam a falta de interesse do governo em priorizar essas mudanças, além de alterações no cenário político nos próximos dois anos.
As chances de aprovação de uma reforma tributária até o próximo ano são vistas como remotas por economistas que apontam a falta de interesse do governo em priorizar essas mudanças, além de alterações no cenário político nos próximos dois anos.
A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, disse nesta quinta-feira (24) em São Paulo não ver espaço para a realização de amplas reformas e que a melhor estratégia pode ser fatiar essa agenda e, como no governo Michel Temer (2016-2018), ter um leque de propostas que possam caminhar conforme a viabilidade política.
Sobre a tributária, afirmou que não se sabe ainda qual proposta vai prevalecer no Congresso e que falta uma definição também do Executivo.
"Estamos muito atrasados. A janela reformista tende a ficar mais tímida daqui para frente, ainda mais com as eleições municipais. Não acredito que teremos neste ano a aprovação dessa reforma (tributária), mesmo fatiada", disse à reportagem durante evento realizado pela revista The Economist.
Ela questiona também a falta de estratégia do governo para conduzir reformas. "A agenda está na direção correta. Mas não basta o ministro (da Economia) ser reformista. Tem de ter Casa Civil envolvida, presidente envolvido. Não vejo um governo alinhado para isso, estabelecendo prioridades, fazendo diálogo com o Judiciário e com o Congresso. Sinto falta de um estrategista político."
A economista Ana Carla Abrão Costa, do escritório Oliver Wyman, afirmou não acreditar na possibilidade de aprovação de uma reforma tributária ampla, nem nesse ano, nem no próximo, mas disse que alguma simplificação de tributos seria possível.
Ricardo Sennes, sócio diretor da consultoria Prospectiva afirmou ver com preocupação a possibilidade de uma interrupção do processo de reformas econômicas por contas das eleições de 2020 e do final do mandato de Rodrigo Maia (DEM-RS), patrocinador da proposta tributária que está na Câmara, a partir de 2021.
"Supor que temos, nessa pequena janela parlamentar, chance de fazer uma reforma tributária, acho pouco provável. Acho que a gente perdeu a janela", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia