Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de outubro de 2019.
Dia das Nações Unidas - ONU.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 24/10 às 15h12min

Ouro fecha em alta, com demanda ampliada em meio a desaceleração

A decisão do Banco Central Europeu (BCE) também mostrou cautela com a economia

A decisão do Banco Central Europeu (BCE) também mostrou cautela com a economia


BULLIONVAULT/VISUAL HUNT/DIVULGAÇÃO/JC
O ouro fechou em alta nesta quinta-feira (24), procurado por investidores ao lado de outros ativos de segurança, como bônus soberanos, depois que indicadores da zona do euro alertaram novamente para uma desaceleração. A decisão do Banco Central Europeu (BCE) também mostrou cautela com a economia.
O ouro fechou em alta nesta quinta-feira (24), procurado por investidores ao lado de outros ativos de segurança, como bônus soberanos, depois que indicadores da zona do euro alertaram novamente para uma desaceleração. A decisão do Banco Central Europeu (BCE) também mostrou cautela com a economia.
O ouro para dezembro fechou em alta de 0,60%, em US$ 1.504,70 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Os juros de títulos soberanos, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, viram sua demanda aumentar, assim como o ouro. Os ativos, considerados de segurança, foram procurados em meio à frustração com os índices de gerentes de compras (PMI, em inglês) da zona do euro e da Alemanha.
Investidores também acompanharam a decisão do BCE, que voltou a alertar para os temores de uma desaceleração acentuada e afirmou que os riscos continuam pendentes ao lado negativo.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia