Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Edição impressa de 10/10/2019. Alterada em 10/10 às 03h00min

Revisão da lei de recuperação judicial pode sair ainda neste ano

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, defendeu, nesta quarta-feira, a revisão da lei de falências e recuperação judicial pelo Congresso Nacional, e disse acreditar na aprovação do novo marco para esses processos ainda neste ano.
O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, defendeu, nesta quarta-feira, a revisão da lei de falências e recuperação judicial pelo Congresso Nacional, e disse acreditar na aprovação do novo marco para esses processos ainda neste ano.
"O sistema de recuperacional e falimentar no Brasil precisa ser melhorado, com impactos importantes na geração de emprego e renda", afirmou, em audiência pública na Câmara dos Deputados. Segundo Waldery, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já conversaram sobre o assunto, e senadores também estão envolvidos no debate.
Após três meses de trabalho com o Ministério da Economia, o deputado Hugo Leal (PSD-RJ) propõe um projeto que flexibiliza o parcelamento de débitos com a União, autorizando as companhias a negociarem maiores prazos e descontos com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Entre as principais mudanças propostas está o reequilíbrio do poder dos credores nos processos de recuperação judicial, inclusive com a vedação da distribuição de lucros e dividendos.
Waldery destacou a solução do Fisco para a tributação do haircut (desconto nas dívidas em processos de recuperação judicial) e do ganho de capital na alienação de bens em falências.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia