Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de outubro de 2019.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/10 às 08h03min

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em baixa com incertezas sobre EUA-China

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (9), em meio a incertezas sobre a capacidade de Estados Unidos e China de encontrarem uma resolução para sua disputa comercial em negociações que serão retomadas amanhã.
As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira (9), em meio a incertezas sobre a capacidade de Estados Unidos e China de encontrarem uma resolução para sua disputa comercial em negociações que serão retomadas amanhã.
O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,61% hoje em Tóquio, a 21.456,38 pontos, enquanto o Hang Seng recuou 0,81% em Hong Kong, a 25.682,81 pontos, e o Taiex registrou queda mais expressiva em Taiwan, de 1,16%, a 10.889,96 pontos. Na Coreia do Sul, o mercado não operou devido a um feriado nacional.
Na China continental, por outro lado, as bolsas se recuperaram de perdas de mais cedo e terminaram o dia com ganhos moderados. O Xangai Composto subiu 0,39%, a 2.924,86 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,65%, a 1.609,10 pontos.
O tom predominantemente negativo veio após os últimos desdobramentos da rixa comercial entre americanos e chineses.
Desde o começo da semana, os EUA decidiram incluir grandes empresas de tecnologia chinesas e outras entidades em uma lista negra de exportações e restringir vistos para autoridades do governo chinês e familiares, em reação a uma suposta campanha de repressão de Pequim contra minorias muçulmanas no noroeste do país asiático. Em resposta, o Ministério de Comércio chinês criticou a interferência dos EUA em assuntos internos da China e pediu a remoção das empresas da lista.
Esse ambiente hostil precede uma nova rodada de negociações comerciais entre EUA e China, que começará nesta quinta-feira (10) em Washington. A disputa comercial sino-americana se arrasta desde meados do ano passado e vem pesando nos mercados financeiros e na perspectiva da economia global.
Na Oceania, a bolsa australiana seguiu a tendência majoritária da Ásia e ficou no vermelho. O S&P/ASX 200 caiu 0,71% em Sydney, a 6.546,70 pontos.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia