Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de outubro de 2019.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

Edição impressa de 08/10/2019. Alterada em 09/10 às 10h26min

Banrisul vai financiar aquisição de cães da raça border collie

Animal é conhecido pela excelência no auxílio ao pastoreio

Animal é conhecido pela excelência no auxílio ao pastoreio


/MARCOS NAGELSTEIN/JC
Roberta Mello
O Banrisul lançou ontem uma nova modalidade de crédito voltada ao agronegócio. Tendo em vista o êxodo de mão-de-obra qualificada do campo e a falta de uma linha de financiamento capaz de suprir uma demanda dos criadores de gado e, principalmente, de ovelhas, o banco dará início ainda nesta semana a um financiamento específico para aquisição de cães da raça border collie - conhecida pela excelência no pastoreio.
O Banrisul lançou ontem uma nova modalidade de crédito voltada ao agronegócio. Tendo em vista o êxodo de mão-de-obra qualificada do campo e a falta de uma linha de financiamento capaz de suprir uma demanda dos criadores de gado e, principalmente, de ovelhas, o banco dará início ainda nesta semana a um financiamento específico para aquisição de cães da raça border collie - conhecida pela excelência no pastoreio.
Capazes de pastorear até 200 ovelhas, cada exemplar canino pode custar entre R$ 7 mil e R$ 15 mil após o treinamento, que dura cerca de um ano e só deve começar depois de 12 meses de idade. O criador poderá, também, optar pela aquisição do filhote sem treinamento, cujo investimento gira em torno de R$ 4 mil.
Notícias sobre agronegócios são importantes para você?
Os animais podem trabalhar durante até oito anos e já são amplamente utilizados em outros países, como na Nova Zelândia. No Brasil, porém, seu uso ainda é incipiente e, segundo o superintendente de crédito de agronegócio do banco, Robson Santos, deve aumentar consideravelmente no Estado com a nova solução.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
"Como o cão não é um objeto financiável pelo crédito rural tradicional que conta com subsídio do governo, o Banrisul decidiu criar um financiamento mantido com recursos próprios", pontua Santos. Os juros serão estipulados após uma avaliação de crédito, mas deverão orbitar em torno de 9,70% ao ano e 10,83% ao ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia