Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de outubro de 2019.
Dia do Compositor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/10 às 15h01min

Bolsas da Europa fecham em alta com humor favorável e superação de incertezas

Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta segunda-feira (7) em alta, com investidores de olho na próxima rodada de negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China, que começa na quinta-feira (10). O bom humor prevaleceu sobre rumores de que o país asiático pode não estar interessado em um acordo amplo com os americanos, bem como superou as incertezas do Brexit e os dados econômicos ruins da Alemanha, divulgados nesta segunda. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,74%, aos 381,20 pontos.
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta segunda-feira (7) em alta, com investidores de olho na próxima rodada de negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China, que começa na quinta-feira (10). O bom humor prevaleceu sobre rumores de que o país asiático pode não estar interessado em um acordo amplo com os americanos, bem como superou as incertezas do Brexit e os dados econômicos ruins da Alemanha, divulgados nesta segunda. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,74%, aos 381,20 pontos.
A Casa Branca confirmou nesta manhã que a nova rodada de negociações comerciais com a China terá início na quinta-feira, 10 de outubro. A nota veio após a Bloomberg informar que o país asiático não estaria disposto a fechar um acordo comercial "amplo", o que conteve o ânimo entre investidores, principalmente em Wall Street, mas não teve força para deixar os mercados acionários europeus no vermelho.
O tom positivo prevaleceu, também, em relação às incertezas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. Uma corte da Escócia decidiu que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, não é obrigado a pedir uma extensão do prazo do Brexit caso não se chegue a um acordo com Bruxelas, o que estava previsto em lei aprovada pelo Parlamento local.
"Continua sendo altamente improvável que um acordo seja alcançado nas próximas duas semanas", destacam economistas do Rabobank. Em Londres, o índice FTSE 100 fechou em alta de 0,59%, aos 7.197,88 pontos, com avanço de 1,50% nos papéis da British Petroleum.
Nem mesmo dados ruins da economia da Alemanha tiveram força o suficiente para pressionar o mercado de ações no continente. Hoje, o volume de novas encomendas à indústria do país recuou 0,6% em agosto em relação a julho, enquanto economistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam leve alta de 0,2%. Por lá, o índice DAX subiu 0,70%, para 12.097,43 pontos, com as ações da Lufthansa em alta de 4,16%.
Em Milão, o índice FTSE MIB fechou em alta de 0,85%, aos 21.652,15 pontos, a máxima do dia, com a Fiat ganhando 0,66%. Entre as montadoras, a Renault subiu 0,32% na Bolsa de Paris, onde o índice CAC 40 fechou com avanço de 0,61%, aos 5.521,61 pontos.
O índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou em alta de 0,92%, aos 9.044,10 pontos, e o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, terminou o dia se fortalecendo 0,52%, aos 4.933,21 pontos, a máxima do dia.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia