Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 03h03min, 18/09/2019. Atualizada em 03h00min, 18/09/2019.

Bolsonaro reduz encontros na Assembleia da ONU

EUA, Polônia, Colômbia, Peru, Ucrânia e África do Sul saíram da agenda

EUA, Polônia, Colômbia, Peru, Ucrânia e África do Sul saíram da agenda


/Drew Angerer/Getty Images/AFP/JC
A agenda encurtada do presidente Jair Bolsonaro durante a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, na próxima semana, levou à suspensão do que seria o primeiro encontro bilateral com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. O britânico, líder do Partido Conservador, se tornou um importante aliado do Brasil na questão das queimadas da Floresta Amazônica.
A agenda encurtada do presidente Jair Bolsonaro durante a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, na próxima semana, levou à suspensão do que seria o primeiro encontro bilateral com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. O britânico, líder do Partido Conservador, se tornou um importante aliado do Brasil na questão das queimadas da Floresta Amazônica.
Também saíram da programação reuniões com Estados Unidos, Polônia e Colômbia, além de Peru, Ucrânia e África do Sul. Com isso, segundo integrantes do governo brasileiro, não há expectativa de encontros bilaterais durante a viagem. A previsão inicial era de que Bolsonaro e Trump conversassem antes de seus discursos na Assembleia. O Brasil faz o discurso de abertura e, em seguida, é a vez dos Estados Unidos, o anfitrião do evento. Esta possibilidade ainda não está descartada.
As reuniões com os sete líderes ainda estavam sendo alinhavadas, mas o governo brasileiro declinou após recomendação médica para que Bolsonaro diminuísse as atividades durante a Assembleia da ONU. O presidente se recupera de uma cirurgia para correção de uma hérnia , realizada no dia 8 de setembro. Após nove dias internado no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, Bolsonaro retornou nesta segunda para Brasília.
A conversa com o premier britânico teria como pontos principais a Amazônia e a possibilidade de um acordo de livre comércio. Durante o encontro da cúpula do G7, no mês passado, Johnson se insurgiu contra o presidente da França, Emmanuel Macron, e o acusou de usar a floresta para interferir no acordo entre União Europeia com Mercosul. Os britânicos ainda doaram ao Brasil R$ 50 milhões para ajudar no combate aos incêndios.
A Amazônia também deveria ser o tema de debate com o presidente da Colômbia, Iván Duque, outro líder de direita na América do Sul. Os dois vêm conversando sobre um plano conjunto dos países da região amazônica e também sobre a crise na Venezuela.
O encontro com o presidente da Polônia, Andrzej Duda, marcaria a aproximação de Bolsonaro com outro líder conservador e alinhado a Trump. Os poloneses integram o Grupo Visegrado, ao lado de Hungria, República Tcheca e Eslováquia, onde a direita nacionalista está no poder. Segundo uma fonte do governo brasileiro, esse grupo apoia a criação de uma nova política internacional para o meio ambiente, como alternativa ao Acordo de Paris.
O Brasil tem interesses estratégicos na relação com Ucrânia, África do Sul e Peru. No caso da Ucrânia, havia uma forte aproximação política com o ex-presidente conservador Petro Poroshenko . Ele e Bolsonaro se reuniram em um encontro paralelo ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, no início deste ano. Mas Poroshenko perdeu as eleições de abril para o ex-comediante Volodymyr Zelenskiy , que tomou posse em maio.
A África do Sul é membro do Brics - bloco que também é integrado por Brasil, Rússia, Índia e China. O encontro com o líder sul-africano Cyril Ramaphosa seria uma preparatória para a reunião de cúpula do grupo, que acontecerá em Brasília, em novembro. Da direita tradicional peruana, o presidente Martín Vizcarra tem demonstrado afinidade com Bolsonaro nos principais temas ligados à região, sendo um deles a situação na Venezuela. Assim como o presidente brasileiro, Vizcarra considera o governo do chavista Nicolás Maduro ilegítimo e reconhece como presidente daquele país o líder opositor Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional. No campo econômico, Brasil e Peru pretendem ampliar um acordo firmado há cerca de três anos.
O embarque da comitiva brasileira, que incluirá o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), ocorrerá no dia 23 - o planejamento inicial era que Bolsonaro viajasse para os Estados Unidos no dia 22. A volta ao Brasil está prevista para o dia 25. Antes, porém, Bolsonaro passará por Dallas, no Texas, onde no aeroporto deverá ter um rápido encontro com empresários ligados ao setor militar dos Estados Unidos.
 

Christine Lagarde é indicada para chefiar o BCE

Aprovação final para o cargo está prevista para o mês de outubro
Aprovação final para o cargo está prevista para o mês de outubro
SAUL LOEB/AFP/JC
O Parlamento Europeu aprovou nesta terça-feira (17), por ampla maioria, a indicação da ex-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Christine Lagarde para a presidência do Banco Central Europeu (BCE), no lugar de Mario Draghi.
Em um escrutínio secreto, 394 parlamentares votaram a favor e 206 foram contra. Houve 49 abstenções. A indicação de Lagarde depende agora da aprovação do Conselho Europeu, em outubro. Caso receba o aval do conselho, Lagarde substituirá Draghi no dia 1º de novembro.
 

Fechado acordo para exportar produtos para a Arábia Saudita

O governo brasileiro fechou acordos que ampliam a pauta de exportação de produtos do agronegócio para a Arábia Saudita. Foram autorizadas as exportações de castanhas, derivados de ovos e a ampliação do acesso a frutas brasileiras. Somados, os produtos representam um mercado potencial superior a US$ 2 bilhões, informa o Ministério da Agricultura, em comunicado.

O acerto foi realizado em Riad, durante reunião entre o CEO da Saudi Food and Drug Authority (SFDA) da Arábia Saudita, Hisham bin Saad Al Jadhey, e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Conforme o Ministério da Agricultura, Hisham Al Jadhey mencionou que a Arábia Saudita importa 80% dos alimentos que consome - provenientes de mais de 150 países - , e que o Brasil é importante parceiro para garantir a segurança alimentar do país.

Ele ressaltou, ainda, a qualidade dos produtos brasileiros e demonstrou satisfação com a diversificação da pauta agrícola do Brasil.

Comentários CORRIGIR TEXTO