Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 15h56min, 13/09/2019. Atualizada em 16h44min, 13/09/2019.

Bolsas da Europa fecham em alta com estímulos do Banco Central Europeu e relações EUA-China em foco

O BCE cortou a taxa de depósito e anunciou a retomada do programa de relaxamento quantitativo

O BCE cortou a taxa de depósito e anunciou a retomada do programa de relaxamento quantitativo


ARIS MESSINIS/AFP/JC
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta sexta-feira (13) em alta, com investidores de olho nos estímulos monetários anunciados na quinta-feira (12) pelo Banco Central Europeu (BCE) e nas relações comerciais entre Estados Unidos e China. Na quinta, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que poderia considerar um acordo em etapas com o país asiático, apesar de preferir um pacto amplo. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou o dia em alta de 0,36%, aos 392,00 pontos, e avançou 1,21% nesta semana.
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta sexta-feira (13) em alta, com investidores de olho nos estímulos monetários anunciados na quinta-feira (12) pelo Banco Central Europeu (BCE) e nas relações comerciais entre Estados Unidos e China. Na quinta, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que poderia considerar um acordo em etapas com o país asiático, apesar de preferir um pacto amplo. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou o dia em alta de 0,36%, aos 392,00 pontos, e avançou 1,21% nesta semana.
As bolsas europeias ainda reagem em alta ao pacote de estímulos monetários divulgado quinta-feira pelo BCE. A instituição cortou a taxa de depósito e anunciou a retomada do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), por meio do qual comprará 20 bilhões de euros em ativos, mensalmente, a partir de novembro. Após o pacote, o economista do ING Carsten Brzeski disse estar "preocupado que a estagnação econômica seja duradoura e perigosa". Em coletiva de imprensa, o presidente do BCE, Mario Draghi, sinalizou que a política fiscal deve assumir o comando no apoio à economia da zona do euro.
Na Alemanha, o índice DAX, da bolsa de Frankfurt, fechou em alta de 0,47%, aos 12.468,53 pontos, com alta de 1,89% da Daimler. Na semana, o DAX se fortaleceu 2,27%.
Seguem no radar dos investidores, ainda, as relações entre EUA e China. Trump afirmou que poderia considerar um acordo em etapas com o país asiático, o que já vinha sendo vinculado ao longo do dia de quinta pela imprensa americana, mas disse preferir um "acordo integral". O líder da Casa Branca ainda declarou que os EUA estão se saindo bem nas negociações com a China, garantindo certo clima de otimismo.
Na bolsa de Milão, o índice FTSE MIB subiu 0,44%, para 22.181,41 pontos, com alta de 1,07% na semana. As ações da Telecom Itália subiram 1,36%.
Em Paris, o índice CAC 40 avançou 0,22%, para 5.655,46 pontos. Na comparação semanal, houve fortalecimento de 0,92%.
Em Londres, o destaque fica para a notícia de que o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, vai se reunir com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, na segunda-feira (16), em Luxemburgo, para mais conversas sobre o Brexit. Por lá, o índice FTSE 100 fechou o dia em alta de 0,31%, para 7.367,46 pontos, e a semana em ganhos de 1,17%.
O índice Ibex 35, da bolsa de Madri, subiu 0,61%, para 9.137,90 pontos, enquanto o PSI 20, da bolsa de Lisboa, avançou 0,64%, para 5.048,89 pontos.
Comentários CORRIGIR TEXTO