Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

11/09/2019 - 20h29min. Alterada em 11/09 às 20h29min

Boeing diz que há "progresso sólido" nas aprovações para modelos 737 MAX

Estadão Conteúdo
O executivo-chefe da Boeing, Dennis Muilenberg, afirmou que a companhia continua a trabalhar com a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) e com reguladores pelo mundo para conseguir permissão para que os modelos 737 MAX voltem a voar. Em conferência de investidores na Califórnia, Muilenberg reafirmou sua avaliação de que o avião voltará aos ares no quarto trimestre de 2019.
O executivo-chefe da Boeing, Dennis Muilenberg, afirmou que a companhia continua a trabalhar com a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) e com reguladores pelo mundo para conseguir permissão para que os modelos 737 MAX voltem a voar. Em conferência de investidores na Califórnia, Muilenberg reafirmou sua avaliação de que o avião voltará aos ares no quarto trimestre de 2019.
"Nós continuamos a fazer progresso sólido para retomar o serviço" dos modelos, afirmou o executivo. Mesmo com o trabalho continuado com reguladores pelo mundo e a FAA, Muilenberg admitiu que o processo é complicado. "Eu diria que o principal risco ao cronograma continua a ser o alinhamento de reguladores pelo mundo e as aprovações dos reguladores", disse.
Apesar da alta de 3,64% de hoje, a ação da Boeing ainda recua cerca de 10% desde 8 de março, o último dia de negociações antes da queda do avião da Ethiopian Airlines - o segundo acidente com um 737 MAX ocorrido em cinco meses. Com os episódios, reguladores pelo mundo determinaram que o avião não voe por enquanto.
A Boeing diz que mantém o plano de retomar a produção mensal de 57 desses aviões até o fim do próximo ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia