Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Empreendedorismo

Alterada em 11/09 às 19h12min

'A gente não pode deixar de valorizar a ciência", diz presidente do Santander Brasil

Rial destacou o papel das universidades para desenvolver a ciência no País

Rial destacou o papel das universidades para desenvolver a ciência no País


SANTANDER/DIVULGAÇÃO/JC
Em meio ao bloqueio de verbas para universidades com riscos à continuidade de pesquisas, o presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, ressaltou, em São Paulo, a necessidade de valorizar a ciência e seu impacto para transformar as pessoas. O recado foi dado na noite de entrega dos troféus do programa Empreenda Santander 2019, que reconhece iniciativas de estudantes, startups e microempreendedores apoiados por universidades. 
Em meio ao bloqueio de verbas para universidades com riscos à continuidade de pesquisas, o presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, ressaltou, em São Paulo, a necessidade de valorizar a ciência e seu impacto para transformar as pessoas. O recado foi dado na noite de entrega dos troféus do programa Empreenda Santander 2019, que reconhece iniciativas de estudantes, startups e microempreendedores apoiados por universidades. 
'A gente não pode deixar de valorizar a ciência em um país em desenvolvimento, pobre por muito anos e com muitos desafios sociais", reforçou Rial, ao fazer a abertura da noite de entrega, na terça-feira (10), no teatro Santander, na capital paulista. O Empreenda tem forte peso da ação de instituições de ensino superior tanto públicas como privadas para desenvolver novos negócios, inovação e estratégias para fortalecimento de microempreendedores que acessam linhas de microcrédito disponibilizadas pelo banco. 
Rial também fez provocação sobre a inclusão de negros. "Esse é um legado que o mundo privado tem de assumir, sem qualquer ideologia, mas simplesmente porque é correto", justificou o principal executivo do banco espanhol no País. 
O executivo observou ainda que há nuances políticas "em empresas e organizações sociais", mas defendeu que a "ciência é apolítica". "Não politizemos as universidades. Vieses existem em empresas e organizações sociais, é normal onde tem interação humana. Mas a ciência é apolítica", precaveu-se.
Sem falar diretamente das políticas do governo federal, Rial afirmou que, "apesar das limitações, temos professoras e professores transformando a vida de milhões de pessoas. Parabéns aos heróis que fazem das universidades um centro de saber".  
Ele também fez provocação para que as empresas promovam mudanças para maior inclusão de negros.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia