Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Edição impressa de 12/09/2019. Alterada em 12/09 às 09h57min

Usina Pampa Sul não será vendida neste ano

Engie Brasil pretende alienar operação quando unidade estiver a pleno

Engie Brasil pretende alienar operação quando unidade estiver a pleno


/THIAGO DICKMANN/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Com o objetivo de "descarbonizar" sua matriz energética, a Engie Brasil Energia resolveu, em 2016, se desfazer dos seus ativos a carvão no País (no caso a usina gaúcha Pampa Sul e o complexo termelétrico catarinense Jorge Lacerda, que serão alienados separadamente). Apesar de ter chegado perto de concretizar as vendas dos empreendimentos, quando abriu tratativas com a empresa ContourGlobal, a Engie ainda não conseguiu finalizar a operação. E, a respeito da planta localizada no Rio Grande do Sul, em Candiota, a meta é vendê-la a partir de 2020.
Com o objetivo de "descarbonizar" sua matriz energética, a Engie Brasil Energia resolveu, em 2016, se desfazer dos seus ativos a carvão no País (no caso a usina gaúcha Pampa Sul e o complexo termelétrico catarinense Jorge Lacerda, que serão alienados separadamente). Apesar de ter chegado perto de concretizar as vendas dos empreendimentos, quando abriu tratativas com a empresa ContourGlobal, a Engie ainda não conseguiu finalizar a operação. E, a respeito da planta localizada no Rio Grande do Sul, em Candiota, a meta é vendê-la a partir de 2020.
"Como ela (Pampa Sul) não estava pronta, decidimos seguir apenas com a venda da Jorge Lacerda", explica o diretor-presidente da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini. A térmica iniciou sua operação comercial em 28 de junho deste ano. O dirigente argumenta que ainda não está no momento da alienação, pois a usina acabou de entrar em operação comercial e não terminaram os testes de performance. A ideia é esperar alguns meses de atividade, de forma a garantir ao futuro comprador o perfeito funcionamento da unidade. De acordo com o gerente da Usina Termelétrica Pampa Sul, Renato Barbosa, a planta vem apresentando boa performance e atingindo a geração prevista em projeto e com as emissões dentro dos limites estabelecidos. A estrutura tem potência instalada de 345 MW (cerca de 8,5% da demanda média de energia do Rio Grande do Sul).
Notícias sobre economia são importantes para você?
Sobre o complexo Jorge Lacerda, localizado no município catarinense de Capivari de Baixo, Sattamini acredita que seja possível fechar o negócio desse empreendimento nos próximos meses, já que se trata de um ativo maduro. O dirigente informa que, em relação a essa unidade, existem companhias analisando, já com propostas colocadas. No entanto, devido ao contrato de confidencialidade, o executivo não divulga as empresas interessadas, nem o valor do negócio. "Estamos avaliando essas propostas, e devemos ter uma decisão em breve", reforça.
O diretor-presidente da Engie Brasil Energia lembra que a companhia decidiu deixar os empreendimentos a carvão no País para estar em linha com a estratégia de descarbonização da matriz energética do grupo Engie em todo o mundo. Dentro desse planejamento, a empresa desativou há cerca de três anos a termelétrica de Charqueadas, que tinha uma potência de 72 MW. Conforme o dirigente, hoje o carvão representa menos de 5% da geração do grupo, que já vendeu € 9 bilhões de ativos dessa matriz energética. No Brasil, o carvão é responsável por pouco mais de 10% da geração da empresa- 857 MW de capacidade instalada do complexo termelétrico Jorge Lacerda e 345 MW de Pampa Sul.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
Sobre os segmentos que concentrarão os novos investimentos, Sattamini informa que a empresa está aportando cerca de R$ 2 bilhões nos próximos dois anos para expandir a sua matriz renovável, hoje responsável por quase 90% da energia produzida pela companhia no País. A meta da empresa é crescer, principalmente, nas fontes eólica, solar e hidráulica, além de se manter atenta a investimentos em térmicas a biomassa (queima de matéria orgânica). Atualmente, entre outras iniciativas, a companhia realiza a construção do conjunto eólico Campo Largo 2, na Bahia, nas cidades de Umburanas e Santo Sé, totalizando 361,2 MW de capacidade instalada. O investimento aproximado é de R$ 1,6 bilhão e a entrada em operação completa está prevista para o primeiro semestre de 2021. Com a implantação de Campo Largo 2, a capacidade instalada de energia eólica do grupo vai ultrapassar a marca de 1 mil MW no Brasil, contribuindo para a meta da Engie de alcançar 9 mil MW no mundo de expansão em energias renováveis até 2021.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia