Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 11/09 às 15h03min

Bolsas da Europa fecham em alta antes do Banco Central Europeu, mas Madri vai na contramão

As divergências no comércio entre Estados Unidos e China também continuaram em foco

As divergências no comércio entre Estados Unidos e China também continuaram em foco


DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP/JC
Estadão Conteúdo
Os principais mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quarta-feira em território positivo, com investidores em geral à espera de estímulos do Banco Central Europeu (BCE). Madri, contudo, foi na contramão da maioria e registrou perdas, com bancos em geral em queda.
Os principais mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quarta-feira em território positivo, com investidores em geral à espera de estímulos do Banco Central Europeu (BCE). Madri, contudo, foi na contramão da maioria e registrou perdas, com bancos em geral em queda.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,85%, aos 389,71 pontos.
O banco suíço Swissquote aponta que, sem notícias recentes significativas, os preços têm oscilado, à espera de novidades de mais impacto, entre elas o BCE. A expectativa majoritária do mercado é de mais estímulos à economia, já que a perspectiva econômica na zona do euro é "fraca, embora não terrível", nas palavras do Swissquote. O Rabobank é ainda mais assertivo e diz esperar um "amplo leque de medidas de afrouxamento".
Além do estímulos à economia da região, a expectativa com o BCE enfraquece o euro, o que beneficia ações de exportadoras. A libra também mostrou fraqueza ante o dólar durante o pregão europeu, o que apoia companhias britânicas que vendem ao exterior. No Reino Unido, continuou a haver grande foco no processo de saída da União Europeia (Brexit), após juízes da Escócia declararem que a suspensão do Parlamento durante cinco semanas decretada pelo premiê Boris Johnson é ilegal. O governo britânico afirmou que irá recorrer.
As divergências no comércio entre Estados Unidos e China também continuaram em foco. Mais cedo, Pequim anunciou que isentará por um ano 16 tipos de produtos da primeira rodada de tarifas extras impostas a importações dos EUA, a partir do dia 17. Por outro lado, autoridades americanas não têm mencionado a possibilidade de um acordo próximo.
A bolsa de Londres fechou em alta de 0,96%, em 7.338,03 pontos, Frankfurt subiu 0,74%, a 12.359,07 pontos, e Paris teve ganho de 0,44%, a 5.618,06 pontos.
Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou com avanço de 0,10%, a 21.891,57 pontos, e em Lisboa o PSI-20 teve alta de 0,22%, a 5.005,80 pontos, retomando a marca de 5 mil pontos.
Já em Madri o índice IBEX-35 recuou 0,21%, a 9.059,50 pontos, com alguns bancos importantes em baixa, como BBVA (-0,42%), Santander (-0,27%), Bankia (-1,45%) e Bankinter (-0,31%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia