Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de setembro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mineração

Edição impressa de 11/09/2019. Alterada em 10/09 às 22h05min

Após cinco anos, Brasil deve voltar a explorar urânio em 2020

Por questões ambientais, mineração cessou e País passou a importar

Por questões ambientais, mineração cessou e País passou a importar


/MARCO AUR/AGÊNCIA A TARDE/AE/JC
Paralisada há cinco anos, a mineração de urânio será retomada no Brasil em 2020, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que trata o assunto como prioridade. Com o Orçamento da União apertado e sem espaço para investimentos, a alternativa será a viabilização de parcerias entre empresas privadas e a Indústrias Nucleares do Brasil (INB), estatal que produz combustível para as Usinas de Angra 1 e Angra 2, da Eletronuclear.
Paralisada há cinco anos, a mineração de urânio será retomada no Brasil em 2020, afirmou o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que trata o assunto como prioridade. Com o Orçamento da União apertado e sem espaço para investimentos, a alternativa será a viabilização de parcerias entre empresas privadas e a Indústrias Nucleares do Brasil (INB), estatal que produz combustível para as Usinas de Angra 1 e Angra 2, da Eletronuclear.
Criada oficialmente em 1988, a INB era um braço da antiga Nuclebrás, fundada para cumprir o acordo nuclear Brasil-Alemanha. A empresa domina o ciclo do combustível nuclear, que inclui mineração, beneficiamento, enriquecimento e produção do combustível que abastece as usinas.
Notícias sobre economia são importantes para você?
A fábrica fica em Rezende (RJ), e as minas, em Caetité (BA). Há ainda um projeto de mineração a ser implantado em Santa Quitéria (CE). Mas, por causa de questões ambientais, há cinco anos o Brasil não extrai um grama de urânio, que tem sido importado, apesar de o País deter a sexta maior reserva do mundo.
Além dos problemas de licenciamento, a INB não consegue expandir sua unidade de produção de combustível por falta de dinheiro. Por ser uma estatal dependente do Tesouro - precisa de aportes da União para bancar despesas de custeio e de pessoal -, as receitas com a venda de combustível nuclear são repassadas para o Tesouro. "A INB não vende o combustível? Vende. A Eletronuclear paga? Paga. E o dinheiro vai para onde? Para o Tesouro, porque ela é uma estatal dependente, e não volta. Olha que ciclo perverso", disse o ministro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia