Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 15h55min, 04/09/2019. Atualizada em 15h55min, 04/09/2019.

Bolsas da Europa fecham em alta, com Brexit, dados e quadro internacional

As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quarta-feira, apoiadas pelo risco menor de uma saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) sem acordo e também com foco no quadro internacional, com menor tensão em Hong Kong e um sinal positivo da economia da China. Além disso, indicadores locais foram monitorados por investidores.
As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quarta-feira, apoiadas pelo risco menor de uma saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) sem acordo e também com foco no quadro internacional, com menor tensão em Hong Kong e um sinal positivo da economia da China. Além disso, indicadores locais foram monitorados por investidores.
O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,89%, em 383,18 pontos.
O fato de o Parlamento britânico estar atuando para evitar um Brexit sem acordo, que seria pior para a economia do Reino Unido, agradou a investidores. O premiê Boris Johnson enfrenta dificuldades para levar adiante sua estratégia de "tudo ou nada" com a UE, diante do ceticismo de parte do Legislativo britânico, o que pode significar eleição antecipada para tentar resolver a crise. A UE, por sua vez, afirmou que, caso Johnson pretenda mudar um acordo, precisa apresentar propostas. A atual data para a saída do país do bloco é 31 de outubro, mas o Parlamento britânico tenta garantir um adiamento, que precisará do aval da UE.
Em Hong Kong, o fato de a chefe do Executivo, Carrie Lam, ter dito que retirará da pauta um impopular projeto de lei de extradição para a China também ajudou as bolsas. Houve ainda um dado positivo da China, onde o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços avançou em agosto.
Na própria Europa, o PMI composto da zona do euro subiu a 51,9 em agosto, um pouco acima da previsão de 51,8 dos analistas. Já as vendas no varejo na região da moeda comum caíram 0,6% em julho ante junho, como esperado.
As perspectivas para a política monetária também seguiram no radar. Indicada ao comando do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde afirmou que "é recomendável" manter uma política monetária "altamente acomodatícia" na zona do euro, prometendo manter a linha de atuação de Mario Draghi.
Somados, os fatores ajudaram no apetite por risco. Em Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,59%, a 7.311,26 pontos, mesmo em dia de valorização da libra. Em Frankfurt, o DAX avançou 0,96%, a 12.025,04 pontos.
O índice CAC-40, da bolsa de Paris, fechou com ganho de 1,21%, a 5.532,07 pontos. Em Milão, o índice FTSE-MIB subiu 1,58%, a 21.737,80 pontos.
Na bolsa de Madri, o índice IBEX-35 fechou em alta de 0,54%, a 8.856,60 pontos, mas na mínima do dia. Já em Lisboa o índice PSI-20 avançou 0,94%, a 4.931,11 pontos.
Comentários CORRIGIR TEXTO