Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 03h15min, 03/09/2019. Atualizada em 03h00min, 03/09/2019.

Embaixador chinês no Brasil chama de 'ridículas' acusações dos EUA sobre 5G

A Huawei logo is displayed at a retail store in Beijing on May 23, 2019. - Chinese telecom giant Huawei says it could roll out its own operating system for smartphones and laptops in China by the autumn after the United States blacklisted the company, a report said on May 23. (Photo by FRED DUFOUR / AFP)
      Caption

A Huawei logo is displayed at a retail store in Beijing on May 23, 2019. - Chinese telecom giant Huawei says it could roll out its own operating system for smartphones and laptops in China by the autumn after the United States blacklisted the company, a report said on May 23. (Photo by FRED DUFOUR / AFP) Caption


/FRED DUFOUR/AFP/JC
O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, foi contundente em relação à recente ameaça dos Estados Unidos, de que os norte-americanos poderiam reavaliar o compartilhamento de informações que mantêm com o Brasil caso sejam inclusas empresas chinesas de tecnologia, como a Huawei, em sua rede 5G. De acordo com declaração do vice-secretário assistente de Estado dos EUA para comunicações internacionais e cibernéticas, Robert Strayer, ele "tem viajado o mundo" para alertar governos sobre os perigos que Washington vê na participação de companhias chinesas nas redes 5G. Entre os riscos estaria a obrigatoriedade, pela Lei de Segurança Nacional, de empresas chinesas seguirem determinações do Partido Comunista chinês ligadas ao compartilhamento, com Pequim, de dados de usuários.
O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, foi contundente em relação à recente ameaça dos Estados Unidos, de que os norte-americanos poderiam reavaliar o compartilhamento de informações que mantêm com o Brasil caso sejam inclusas empresas chinesas de tecnologia, como a Huawei, em sua rede 5G. De acordo com declaração do vice-secretário assistente de Estado dos EUA para comunicações internacionais e cibernéticas, Robert Strayer, ele "tem viajado o mundo" para alertar governos sobre os perigos que Washington vê na participação de companhias chinesas nas redes 5G. Entre os riscos estaria a obrigatoriedade, pela Lei de Segurança Nacional, de empresas chinesas seguirem determinações do Partido Comunista chinês ligadas ao compartilhamento, com Pequim, de dados de usuários.
"Tal afirmativa é muitíssimo ridícula e sem nenhum fundamento", criticou o embaixador chinês no Brasil, que participou, nesta segunda-feira, de encontro do Conselho Superior do Agronegócio (Cosag) da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), em São Paulo. "Tal narrativa ou se deve à sua ignorância (do funcionário norte-americano) ou é uma calúnia muito mal intencionada." Para Wanming, esse tipo de narrativa tem como objetivo "incomodar e conturbar a cooperação econômica e comercial com o Brasil e também com outros países".
Ele observou, também, que, "quanto à questão de segurança cibernética, os Estados Unidos mantêm um histórico muito negativo, ao realizar maciças gravações contra países, como o Brasil, ferindo a segurança e a privacidade dessas nações", criticou. "Acho que ninguém vai se esquecer de tal conduta equivocada dos Estados Unidos."
O diplomata chinês fez questão de destacar, também, que a China é um país de economia de mercado. "As empresas chinesas operam de forma independente e equitativa", reforçou. "Nenhuma lei obriga as empresas, na China, a fornecer dados de inteligência para o governo. Para ele, os Estados Unidos utilizam-se da Lei de Segurança Nacional do país asiático para fazer sensacionalismo sobre o que seria um risco embutido de segurança (na transmissão de dados) de certas empresas chinesas e na sua tecnologia. "Tal acusação é totalmente infundada. É uma deturpação da verdade e difamação mal-intencionada para confundir o público."
Sobre as suspeitas dos Estados Unidos que recaem sobre a chinesa Huawei, gigante do setor de tecnologia do país asiático, o embaixador citou que a companhia presta serviços para mais de 170 países, incluindo o Brasil. Além disso, tem a liderança na tecnologia 5G. "Atendemos um terço da população mundial e com bons registros de segurança. Não há nenhuma prova de que a Huawei esteja ameaçando a segurança nacional, como dizem certas pessoas e países", disse, enfático, acrescentando que a Huawei já celebrou mais de 50 acordos de 5G, em mais de 30 países, incluindo Itália, Portugal e Espanha. No Brasil, a multinacional atende às sete principais operadoras de telefonia móvel e cobre mais de 90% da população brasileira.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO