Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Relações Internacionais

- Publicada em 03h03min, 27/08/2019. Atualizada em 03h00min, 27/08/2019.

Macron volta a ameaçar acordo UE-Mercosul

Presidente da França falou a uma emissora de TV e disse que texto do tratado não dá todas as garantias

Presidente da França falou a uma emissora de TV e disse que texto do tratado não dá todas as garantias


/FRANCE TELEVISIONS/AFP/JC
Em entrevista à TV F1, o presidente da França, Emmanuel Macron, reafirmou que, hoje, do jeito que está, não assinaria o acordo da União Europeia (UE) com o Mercosul. Segundo ele, o texto atual deve ser trabalhado porque não é o suficiente e não dá todas as garantias.
Em entrevista à TV F1, o presidente da França, Emmanuel Macron, reafirmou que, hoje, do jeito que está, não assinaria o acordo da União Europeia (UE) com o Mercosul. Segundo ele, o texto atual deve ser trabalhado porque não é o suficiente e não dá todas as garantias.
"A França foi a mais dura na negociação com a Europa, para proteger nossa agricultura e o clima", disse Macron, ressaltando que uma das condições era de que o Acordo de Paris deveria ser assinado por todos os signatários.
O presidente francês afirmou ainda que durante a reunião do G-20, em julho, no Japão, foi informado de que todos estavam de acordo, inclusive o Brasil que, segundo ele, já havia feito campanha contra o Acordo de Paris.
"A condição era respeitar os engajamentos climáticos. O que se passou desde julho? Bolsonaro demitiu o cientista que fazia pesquisas independentes sobre a Floresta Amazônica e enviou várias mensagens de que não cumpriria esses engajamentos", disse.
Segundo o presidente francês, não foi ele que mudou, mas Bolsonaro é que não respeitou sua palavra ao não assegurar o respeito ao combate às mudanças climáticas e à proteção da Amazônia.
"Eu devo, em nome da França, assegurar que nossos interesses, princípios, valores, aquilo pelo que nos engajamos, seja defendido. Então, hoje, não assinaria o acordo do Mercosul."
A entrevista de Macron foi dada após o encerramento do encontro de líderes do G-7, que ocorreu entre o sábado e esta segunda-feira (26) em Biarritz, na França. O G-7 é formado por Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Itália e Canadá. As queimadas na Amazônia e as ações de combate foram um dos temas do encontro, além da guerra comercial entre Estados Unidos e China e a questão nuclear entre os norte-americanos e o Irã. Macron já havia endurecido o tom diante dos incêndios na floresta amazônica e cogitando a possibilidade de não assinar o acordo entre a União Europeia e o Mercosul.
Leia mais sobre o caso aqui
 
Comentários CORRIGIR TEXTO