Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Transportes

- Publicada em 21h34min, 26/08/2019. Atualizada em 21h33min, 26/08/2019.

Complexo logístico reanima economia de Charqueadas

Estrutura em área de 10 mil m2 já instalada no município vai operar com transporte terrestre e fluvial

Estrutura em área de 10 mil m2 já instalada no município vai operar com transporte terrestre e fluvial


/METALOG/DIVULGAÇÃO/JC
Jefferson Klein
Depois de observar nos últimos anos o fechamento de uma termelétrica a carvão do grupo Engie e a interrupção da construção do estaleiro da Iesa Óleo e Gás, Charqueadas tem um motivo para comemorar na área econômica. Inserido dentro do terreno da Metasa no município, recentemente começou a operar a Metalog Complexo Logístico - Porto Privado de Charqueadas, que já projeta crescimento e expansão de atividades. Além da própria Metasa, são sócios do empreendimento a Muksinos (que atua no segmento de transportes) e o empresário do setor do agronegócio Arildo Lermen.
Depois de observar nos últimos anos o fechamento de uma termelétrica a carvão do grupo Engie e a interrupção da construção do estaleiro da Iesa Óleo e Gás, Charqueadas tem um motivo para comemorar na área econômica. Inserido dentro do terreno da Metasa no município, recentemente começou a operar a Metalog Complexo Logístico - Porto Privado de Charqueadas, que já projeta crescimento e expansão de atividades. Além da própria Metasa, são sócios do empreendimento a Muksinos (que atua no segmento de transportes) e o empresário do setor do agronegócio Arildo Lermen.
O idealizador do projeto e proprietário da Muksinos, João Mateus Nunes dos Santos, ressalta que o complexo ajudará a reativar a economia da região. A Metasa se instalou em Charqueadas para integrar o chamado polo Naval do Jacuí, iniciativa que acabou não indo adiante. A companhia, que tem sede em Marau, abriu uma planta no município da Região Metropolitana com o principal objetivo de atender aos pedidos da Iesa. Contudo, esse grupo, por dificuldades financeiras e operacionais, acabou perdendo as encomendas que tinha da Petrobras quanto a módulos de plataformas de petróleo. Depois desse cenário negativo, a nova proposta logística abre uma alternativa para a economia local.
Notícias sobre economia são importantes para você?
A estrutura operará com os transportes terrestre e fluvial, aproveitando uma área à beira do rio Jacuí para desenvolver a atividade portuária. A primeira etapa da iniciativa contempla a armazenagem de cargas secas em geral como, por exemplo, bobinas e madeira. A meta, conforme Santos, é atender a demandas de empresas como CMPC, GKN e Gerdau, que estão situadas na região, assim como companhias da Serra gaúcha. A segunda fase contemplará o serviço de uma balsa que fará uma viagem semanal para Rio Grande, levando e trazendo cargas do porto da Metade Sul. Essa embarcação terá uma capacidade para movimentar aproximadamente 5 mil toneladas. Santos detalha que está sendo buscada uma parceria para fazer esse serviço. "Se até meados de outubro não conseguirmos um parceiro, partiremos para a opção da balsa própria", adianta. O empreendimento prevê a movimentação de contêineres tanto pelas estradas como pela hidrovia.
A estrutura do complexo logístico no espaço da Metasa já estava praticamente montada, com uma área de 10 mil metros quadrados de armazéns, ponte-rolante e escritórios, portanto não necessitando grandes investimentos para começar as atividades. Já há cargas da General Electric armazenadas no terreno. Segundo Santos, o volume atual de movimentação do empreendimento está na ordem de 10 mil toneladas em cargas ao mês e estão atuando na operação cerca de 30 pessoas. A expectativa é trabalhar, em breve, com em torno de 20 mil toneladas mensais.
O empreendedor comenta que a estrutura pode ser ampliada, conforme a demanda apresentada. No próximo mês, guindastes da Muksinos deverão ser instalados no local. Outra opção aberta pelo complexo é receber empresas de logística e, futuramente, se transformar em um terminal alfandegado.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO