Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

indústria automotiva

- Publicada em 10h30min, 21/08/2019. Atualizada em 11h59min, 21/08/2019.

GM e metalúrgicos de Gravataí começam a discutir acordo de 2020

Reunião entre a General Motors e o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí está prevista para ás 14h

Reunião entre a General Motors e o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí está prevista para ás 14h


GM/DIVULGAÇÃO/JC
Bruna Oliveira
A General Motors e o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí voltam a se reunir nesta quarta-feira (21) para discutir a negociação com os trabalhadores do complexo automotivo. Na pauta, estão os 21 pontos que redefinem o regramento dos trabalhadores na GM. A reunião está marcada para as 14h.
A General Motors e o Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí voltam a se reunir nesta quarta-feira (21) para discutir a negociação com os trabalhadores do complexo automotivo. Na pauta, estão os 21 pontos que redefinem o regramento dos trabalhadores na GM. A reunião está marcada para as 14h.
A lista de pedidos da montadora já havia sido colocada à mesa pela multinacional em janeiro deste ano (veja lista abaixo), quando se colocou em questão a permanência da empresa no Rio Grande do Sul. Em março, a GM anunciou investimentos de R$ 10 bilhões para ficar no País e fabricação de um novo modelo na planta gaúcha.
A preocupação do diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari, é de que sejam incluídas nas discussões mudanças previstas pela Reforma Trabalhista e pela MP da Liberdade Econômica. De acordo com o Ascari, a terceirização na atividade-fim, as férias parceladas e as jornadas de trabalho aos domingos e feriados devem estar na nova pauta de negociações da montadora. "Vamos conversar. Tem pontos que são sagrados, como a participação nos lucros, a não-terceirização e trabalho aos domingos sem hora extra", pontou Ascari.
As 21 medidas estavam em segundo plano desde que a categoria assinou um acordo com a montadora, garantindo uma série de garantias aos trabalhadores. Na fábrica de São José do Campo, em São Paulo, os trabalhadores aceitaram a proposta da GM.

Veja a lista de pedidos da GM colocados em discussão em janeiro:

1 - Formalização de Acordo Coletivo de longo prazo (2 anos renováveis por mais 2). O atual, assinado em 2018, vence no fim de 2019.
2 - Negociação de valor fixo e substituição de aumento salarial para empregados horista e congelamento ou redução da meritocracia para mensalistas.
3 - Negociação do PPR com revisão das regras de aplicação, prevalência da proporcionalidade transição para aplicação de equivalência salarial e inclusão de produtividade.
4 - PPR zero em 2019, de 50% em 2020 e integral em 2021.
5 - Suspensão das contribuição da GMB à Previdência por 12 meses
6 - Alteração do plano médico.
7 - Implementação de trabalho intermitente por acordo coletivo e individual.
8 - Terceirização de atividades meio e fim.
9 - Jornada de trabalho de 44 horas semanais para novas contratações.
10 - Piso salarial de R$ 1.300,00. (O atual está em torno de R$ 1.570,00).
11 - Redução do período de complementação do auxílio previdenciário para 60 dias para um evento no ano.
12 - Renovação de acordos de flexibilidade.
13 - Rescisão no curso de afastamento para empregados com tempo para aposentadoria.
14 - Desconsideração de horas extraordinárias.
15 - Trabalho em regime de tempo parcial.
16 - Jornada especial de trabalho (12/36 horas).
17 - Ajuste na cláusula de férias com parcelamento previsto em lei.
18 - Regramento do contrato de trabalho intermitente.
19 - Implicabilidade de isonomia salarial acima dos 48 meses para grade nova.
20 - Cláusula regrando a adoção de termo de quitação anual de obrigações trabalhistas.
21 - Congelamento da política de progressão salarial horista por 12 meses.
Comentários CORRIGIR TEXTO