Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de agosto de 2019.
Dia do Maçom.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 20/08 às 13h46min

Bolsas da Europa fecham em queda com incertezas e política da Itália no radar

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta terça-feira (20), em queda, diante das incertezas em relação à economia global e do continente. As bolsas chegaram a reduzir suas perdas após o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciar o fim da coalizão governista e dizer que irá renunciar ao cargo, sem força, contudo, para fecharem no positivo.
Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta terça-feira (20), em queda, diante das incertezas em relação à economia global e do continente. As bolsas chegaram a reduzir suas perdas após o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, anunciar o fim da coalizão governista e dizer que irá renunciar ao cargo, sem força, contudo, para fecharem no positivo.
Investidores ainda monitoram medidas de estímulos por parte de grandes bancos centrais, como da China e da Alemanha. Diante do cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,62%, aos 370,80 pontos.
As incertezas na Europa seguem crescendo. "Tanto os desenvolvimentos políticos quanto os indicadores econômicos sugerem que a Europa caminha para águas tempestuosas", diz um relatório da IHS Markit enviado a clientes.
Na Itália, em discurso no Senado, Conte declarou que irá entregar sua renúncia ao presidente da Itália, Sergio Mattarella, em meio à votação da moção de repúdio protocolada pela Liga, partido do vice-premiê Matteo Salvini. O primeiro-ministro do país declarou o fim da coalizão governista entre a Liga e o Movimento 5 Estrelas (M5S) e disse que Salvini se rendeu a interesses pessoais e partidários.
A notícia da saída de Conte chegou a reduzir as perdas nas bolsas europeias, com a interpretação de que um novo primeiro-ministro deve ter postura menos eurocética. O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, encerrou em queda de 1,11%, aos 20.485,43 pontos, com perdas do setor financeiro, em meio aos recuos dos juros do título público local de dez anos. O Intesa Sanpaolo caiu 0,56% e Banco BPM, 2,56%.
Sinais de estímulos econômicos na China e na Alemanha tampouco foram suficientes para conter as quedas. Na segunda-feira, o país asiático estabeleceu uma taxa de juros de referência menor do que a anterior, favorecendo a tomada de empréstimo, enquanto o ministro de Finanças alemão, Olaf Scholz, sugeriu no fim de semana a possibilidade de injetar bilhões de euros na economia do país.
O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, caiu 0,55%, aos 11.651,18 pontos, com o Deutsche Bank cedendo 0,49%. Em Paris, o índice CAC 40 perdeu 0,50%, aos 5.344,64 pontos.
Outro importante banco europeu, o Barclays, recuou 1,51% na Bolsa de Londres, onde o índice FTSE 100 fechou em queda de 0,90%, aos 7.125,00. Investidores monitoram o desenrolar do Brexit, enquanto o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deve se encontrar com o presidente da França, Emmanuel Macron, na quinta, para negociar a questão.
O índice Ibex 35, da Bolsa de Madri, caiu 1,32%, aos 8.618,30 pontos, a mínima do dia, enquanto o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, cedeu 0,63%, aos 4.820,95 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia