Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Agronegócios

- Publicada em 21h48min, 19/08/2019. Atualizada em 15h07min, 20/08/2019.

Languiru investe em leite com rastreabilidade

Família Brackmann é uma das cinco que estão à frente do projeto; lote inicial atenderá a uma rede do varejo

Família Brackmann é uma das cinco que estão à frente do projeto; lote inicial atenderá a uma rede do varejo


/MARCOS NAGELSTEIN/AGÊNCIA PREVIEW/DIVULGAÇÃO/JC
Thiago Copetti
Uma parceria entre a Cooperativa Languiru e as multinacionais SIG Combibloc e Siemens, iniciado em 2017 e que já exigiu investimento de R$ 4 milhões, chegará em breve ao consumidor. Entre os diferenciais da nova linha de leite integral Origem está a união do melhor manejo dos animais com a tecnologia. O Origem inicialmente será produzido por apenas cinco famílias que vão oferecer um produto diferenciado ao seguirem regras de certificação de qualidade exigidas pela cooperativa. Além disso, o produto poderá ser rastreado pelo consumidor, da origem ao processamento, por meio de um QR Code impresso na embalagem.
Uma parceria entre a Cooperativa Languiru e as multinacionais SIG Combibloc e Siemens, iniciado em 2017 e que já exigiu investimento de R$ 4 milhões, chegará em breve ao consumidor. Entre os diferenciais da nova linha de leite integral Origem está a união do melhor manejo dos animais com a tecnologia. O Origem inicialmente será produzido por apenas cinco famílias que vão oferecer um produto diferenciado ao seguirem regras de certificação de qualidade exigidas pela cooperativa. Além disso, o produto poderá ser rastreado pelo consumidor, da origem ao processamento, por meio de um QR Code impresso na embalagem.
Para receber a marca Origem, a coleta do leite e o envasamento devem ser feitos em até 24h, oriundo de padrões mais rígidos de manejo e qualidade do leite e não precisará receber a adição de estabilizantes para manter características como pureza, frescor e sabor. Com produção inicial de apenas entre 12 mil a 15 mil/dia, o primeiro lote será comercializado por apenas uma grande rede de supermercados do Estado. Futuramente, diz Alexandre Schneider, gerente de comunicação, marketing e cooperativismo da Languiru.
Notícias sobre economia são importantes para você?
A cooperativa, assegura Schneider, poderá processar até 250 mil litros do Origem, o que ainda deve exigir mais cerca de R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão em investimentos. A Languiru já tem cerca de 1,5 mil produtores que podem produzir esse leite de maior qualidade ao trabalharem dentro das regras de certificação da cooperativa, atendendo a uma série de normas de produção e manejo. "São regras que, hoje, nos permitiriam, inclusive, exportar para mercados exigentes como o europeu", assegura Schneider. Ainda que a exportação do produto não seja o objetivo no momento, o executivo não descarta a possibilidade de fazer embarques internacionais no futuro. As cinco propriedades estão localizadas no Vale do Taquari e certificadas pelo programa de Boas Práticas na Fazenda (BPF). E é a proximidade das propriedades rurais da indústria de laticínios, em Teutônia, que permite agilidade de coleta da matéria-prima e sua rápida industrialização.
"A Cooperativa Languiru gerencia programas que fiscalizam o manejo na propriedade rural, as condutas na indústria e a expedição de seus produtos. O intuito é preservar as características naturais das matérias-primas e garantir a qualidade", destacou Dirceu Bayer, presidente da cooperativa, durante o lançamento do Origem. O Leite Origem é mais um passo de profissionalização da cadeia produtiva. A propriedade rural de Auri Eidelwein (61), em Linha Águas Boas, município de Bom Retiro do Sul, é uma das cinco primeiras a fornecer a matéria-prima para o Leite Origem. Inclusive, o trabalho de sucessão na propriedade já gera frutos, com o envolvimento do filho Marcos Henrique Eidelwein e da nora Magda Beatriz Ribeiro (37).

A cooperativa

  • A Languiru faturou R$ 1,3 bilhão em 2018 e deve alcançar R$ 1,5 bilhão neste ano, e conta com indústria de laticínios (Teutônia), suínos (Poços das Antas), rações (Estrela) e frango (Westfália).
  • Ao todo, emprega cerca de 3 mil pessoas e tem 1,5 mil associados.
  • A certificação Boas Práticas na Fazenda é desenvolvido desde 2014, o BPF concede certificação à propriedade rural mediante a realização de auditoria em parâmetros de segurança dos alimentos, bem-estar animal e sustentabilidade, conservação do alimento, controle sanitário do rebanho, atitudes higiênicas no ambiente de ordenha e acondicionamento do leite.
Comentários CORRIGIR TEXTO