Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de agosto de 2019.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

Edição impressa de 16/08/2019. Alterada em 16/08 às 03h00min

Previsão para déficit primário em 2019 melhora levemente

Analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia melhoraram levemente a previsão para o déficit fiscal deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal, divulgado nesta quinta-feira (15), pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da Pasta, a mediana das previsões para 2019 passou de um rombo de R$ 105,918 bilhões, previsto em julho, para déficit de R$ 103,217 bilhões. O valor está abaixo da meta de 2019, que permite déficit de R$ 139 bilhões. Para 2020, os analistas reduziram a projeção de resultado negativo de R$ 76,153 bilhões para R$ 70 bilhões.
Analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia melhoraram levemente a previsão para o déficit fiscal deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal, divulgado nesta quinta-feira (15), pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da Pasta, a mediana das previsões para 2019 passou de um rombo de R$ 105,918 bilhões, previsto em julho, para déficit de R$ 103,217 bilhões. O valor está abaixo da meta de 2019, que permite déficit de R$ 139 bilhões. Para 2020, os analistas reduziram a projeção de resultado negativo de R$ 76,153 bilhões para R$ 70 bilhões.
O Prisma revisou levemente para baixo as previsões para a arrecadação das receitas federais em 2019, passando de R$ 1,559 trilhão para R$ 1,558 trilhão. Para 2020, a projeção para a arrecadação se manteve em R$ 1,673 trilhão.
A estimativa para a receita líquida do Governo Central neste ano passou de R$ 1,220 trilhão para R$ 1,224 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,304 trilhão para R$ 1,306 trilhão. Já pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do Governo Central este ano passou de R$ 1,415 trilhão para R$ 1,412 trilhão. Para 2020, a estimativa passou de R$ 1,478 trilhão para R$ 1,473 trilhão.
A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2018 caiu levemente de 78,75 % do PIB para 78,50% do PIB. Para 2020, a estimativa, que estava em 80,20% do PIB, variou para 80,00% do PIB no relatório desta quinta.
O Prisma trouxe projeções fiscais para este mês piores do que as anteriores. A projeção para agosto é de déficit de R$ 18,693 bilhões ante previsão anterior de R$ 18,507 bilhões. Para setembro, é esperado déficit de R$ 22,392 bilhões, ante R$ 22,916 bilhão previsto em julho. Para outubro, a projeção passou de superávit de R$ 8.828 bilhões para de R$ 9,509 bilhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia