Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de agosto de 2019.
Dia do Filósofo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Edição impressa de 16/08/2019. Alterada em 16/08 às 03h00min

Paulo Guedes minimiza guerra fiscal entre os estados

'Eu chamo de liberdade de reduzir impostos', afirmou o ministro

'Eu chamo de liberdade de reduzir impostos', afirmou o ministro


/ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Economia, Paulo Guedes, minimizou nesta quinta-feira (15) durante evento do Santander, a guerra fiscal entre os estados. Segundo ele, como um liberal, acredita ser positivo que os Estados tenham o poder de competir entre si.
O ministro da Economia, Paulo Guedes, minimizou nesta quinta-feira (15) durante evento do Santander, a guerra fiscal entre os estados. Segundo ele, como um liberal, acredita ser positivo que os Estados tenham o poder de competir entre si.
"Quem é liberal não fica preocupado com guerra fiscal. Chamam de guerra fiscal, eu chamo de liberdade de reduzir impostos", disse Guedes.
Ele defendeu a proposta do governo de fazer uma unificação apenas de impostos federais sobre o consumo (IPI, PIS e Cofins), ao contrário do que preveem as demais propostas de reforma tributária que estão no Congresso Nacional, que incluem estados e municípios.
"Nós nunca tivemos a ideia de ter um imposto só", comentou Guedes, completando: "O liberal não é um revolucionário e sim um evolucionista."
Segundo ele, é necessário dar aos estados a liberdade de escolher se vão querer seguir a União na unificação de impostos ou não.
"Se todo mundo quiser IVA (Imposto sobre Valor Agregado) desde a federação até os municípios, ok, se não quiserem, ok também. Não vou brigar com ninguém por isso, tem que respeitar a federação. Não tem que ficar 50 anos corrigindo nada (a PEC 45, de autoria do deputado Baleia Rossi, prevê uma transição de 50 anos para os estados), a gente faz a nossa, quem quiser nos seguir, segue", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia