Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de agosto de 2019.
Dia do Advogado. Dia dos Pais.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

turismo

11/08/2019 - 18h32min. Alterada em 11/08 às 20h09min

Ponte Quebrada é atração na fronteira da China com a Coreia do Norte

Visita à construção, marco da Guerra das duas Coreias, é uma experiência única

Visita à construção, marco da Guerra das duas Coreias, é uma experiência única


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Patrícia Comunello
Chegar à fronteira entre a China e a Coreia do Sul exatamente no trecho final da Ponte Quebrada, marco da Guerra das duas Coreias, é uma experiência única. Do lado da cidade de Dandong, a pujança econômica chinesa desfila empreendimentos verticais ao longo do rio Yalu e um fluxo permanente de visitantes ao símbolo histórico do conflito. Na vizinha norte-coreana de Sinuiju, a orla é descuidada, com mato, algumas construções e o prédio que deve ser do controle de fronteira.
Chegar à fronteira entre a China e a Coreia do Sul exatamente no trecho final da Ponte Quebrada, marco da Guerra das duas Coreias, é uma experiência única. Do lado da cidade de Dandong, a pujança econômica chinesa desfila empreendimentos verticais ao longo do rio Yalu e um fluxo permanente de visitantes ao símbolo histórico do conflito. Na vizinha norte-coreana de Sinuiju, a orla é descuidada, com mato, algumas construções e o prédio que deve ser do controle de fronteira.
A China investiu no poder de atração da ligação. A ponte com estrutura de ferro e largos pilares de concreto teve parte da extensão total de 941 metros implodida pelos Estados Unidos. Em vez de refazer o trecho derrubado, o governo da República Popular da China decidiu manter como ficou e transformar o ponto em um imã que une apelo dos conflitos n agrião e o patriotismo. Outra ponta foi erguida ao lado depois é usada na conexão dos dois países.
A ponte está decorada em seu trajeto por bandeiras chinesas. Nas laterais, auto-falantes mantêm uma música em tom nacionalista tocando todo o tempo. São composições que remetem a períodos de campanhas militares. No vídeo que a reportagem do Jornal do Comércio fez da região, é possível ouvir a trilha e captar melhor o clima cívico na área. No acesso à ponte, há estátuas de militares em campanha, relíquias de armas e fotos emolduradas da época do conflito.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/206x137/1_d4404e75_e98e_4a5f_9aa5_0ddabeafeda8-8805786.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d509d2e161c7', 'cd_midia':8805786, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/d4404e75_e98e_4a5f_9aa5_0ddabeafeda8-8805786.jpg', 'ds_midia': 'Viagem a China - fronteira da China (cidade de Dandong) e Coreia do Norte (cidade Sinuiji) - fluxo turístico e marco histórico', 'ds_midia_credi': 'PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Viagem a China - fronteira da China (cidade de Dandong) e Coreia do Norte (cidade Sinuiji) - fluxo turístico e marco histórico', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Lado chinês mostra cidade desenvolvida e com fluxo intenso de pessoas. Foto Patrícia Comunello/Especial/JC
No lado chinês, moradores se refrescam às margens do Yalu. Em agosto, as temperaturas mantêm-se elevadas, com calor considerado o maior em 15 anos, mesmo após o começo do outono pelo calendário chinês. Fora da área da orla mais movimentada, há cerca de arame farpado que acompanha a divida. Próximo à grande muralha, que tem trechos na região, situa-se a menor distância entre os dois países, de menos de 30 metros.
No outro braço do rio, a movimentação é escassa. Também se detecta a vigilância com torres de controle. Há bancos de terra de assoreamento do rio que, em alguns pontos, torna a distância menor. A travessia é usada por muitos norte-coreanos que tentam sair do país pela China em oposição ao presidente Kim Jong Un. Sinuiju fica a mais de 200 quilômetros da capital Pyongyang.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/206x137/1_289acfb5_b8c9_4e9c_9c8b_ea32f57c8bae-8805679.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d5087ac6ca5f', 'cd_midia':8805679, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/08/11/289acfb5_b8c9_4e9c_9c8b_ea32f57c8bae-8805679.jpg', 'ds_midia': 'Viagem a China - fronteira da China (cidade de Dandong)e a Coreia do Norte (cidade Sinuiji) - fluxo e marco histórico  Da grande muralha, é possível enxergar a Coreia do Norte', 'ds_midia_credi': 'PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Viagem a China - fronteira da China (cidade de Dandong)e a Coreia do Norte (cidade Sinuiji) - fluxo e marco histórico  Da grande muralha, é possível enxergar a Coreia do Norte', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Da grande muralha, é possível enxergar a Coreia do Norte. Foto Patrícia Comunello/Especial/JC
A ponte quebrada foi erguida em 1911 com trilhos para trem. Em 1943, foi transformada para uso rodoviário. Em fim de 1950 e começo de 1951, os Estados Unidos bombardearam as ligações para evitar ajuda chinesa ao lado norte-coreano na guerra.

Ponte é ícone e fonte de turismo de Dandong

O titular do Ministério de Divulgação do Comité Municipal de Dandong, Jiao Wanwei, disse que os principais museus e acervos da cidade estão ligados à guerra das Coreias. “Dandong é uma cidade icônica por causa da guerra”, definiu o ministro. Dandong, com 2,3 milhões de habitantes, é a maior cidade fronteiriça da China e única no limite da República Democrática da Coreia.
Além do turismo, turbinado pelo fluxo intenso na ponte, a cidade tem base econômica com indústrias leves - com desenvolvimento de instrumentos de medição e controle área médica -, agricultura, pesca e logística. “Aqui surgiu o primeiro trator de rodas da nova China”, citou o representante. Nova China marca o período da atual república, que começou em 1949 e completa 70 anos este ano.
Ao mesmo tempo que conservou a ponte interrompida, o governo construiu uma ao lado, que é usada para transporte de cargas e passageiros. Hoje 70% das exportações da economia local têm como destino a Coreia do Norte. O porto local também é movimentado. Foi o primeiro porto de fronteira a ser criado e é única zona de comércio. “Temos rodovias e trens de alta velocidade e abrimos rotas com as duas Coreias”, ressaltou Wanwei.
Uma das apostas da cidade pela localização é ser protagonista na estratégia chinesa chamada de Um Cinturão, Uma Rota. Com a iniciativa, que busca estabelecer maior intercâmbio, Dandong passou a se conectar com mais de cem países. A intenção da China é criar caminhos de trocas usando o ramal continental e o marítimo. Hoje o país firmou acordos de cooperação com mais de cem nações. O Brasil ainda não selou sua entrada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia