Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

08/08/2019 - 10h22min. Alterada em 08/08 às 10h22min

Dólar cai ante real e outras moedas 'commodities' após balança comercial da China

Estadão Conteúdo
O dólar recua desde os primeiros negócios nesta quinta-feira (8) reagindo a um movimento de venda para apuração de ganhos acumulados em 5,35% em sete das últimas oito sessões, induzido pelo exterior. Os agentes de câmbio monitoram a queda dos juros futuros em meio ao otimismo com o andamento da reforma da Previdência e após o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho ter mostrado aceleração de 0,19%.
O dólar recua desde os primeiros negócios nesta quinta-feira (8) reagindo a um movimento de venda para apuração de ganhos acumulados em 5,35% em sete das últimas oito sessões, induzido pelo exterior. Os agentes de câmbio monitoram a queda dos juros futuros em meio ao otimismo com o andamento da reforma da Previdência e após o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho ter mostrado aceleração de 0,19%.
Às 10h10min, o dólar à vista recuava 0,44%, aos R$ 3,9564. O dólar futuro para setembro tinha baixa de 0,18%, aos R$ 3,9690.
Esse resultado ficou abaixo da mediana das estimativas (0,25%) e, com IPCA em 12M em 3,22%, abaixo também da mediana das projeções (3,28%) e da meta de inflação de 4,25%.
O ajuste de baixa ante o real acompanha o viés negativo da moeda americana ante algumas divisas emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano e dólar australiano, após um inesperado aumento anual das exportações chinesas em julho, de 3,3%, ante previsões de recuo de 2% na esteira do agravamento da disputa comercial sino americana.
Já as importações continuaram a ceder, baixando 5,6% anualmente em julho, porém, ainda melhor que a queda de 7,3% registrada em junho e o declínio de 9% projetado pelos analistas.
Por enquanto, os investidores absorvem sem sobressaltos a terceira desvalorização seguida da moeda chinesa, que levou o dólar hoje a superar os 7 yuans pela primeira vez desde 2008. A orientação do BC Chinês vem após o presidente americano, Donald Trump, ter acusado a China de manipulação cambial, o que o país asiático nega.
Na sexta-feira passada, Trump anunciou que, a partir de 1 de setembro, os EUA vão impor tarifa de 10% sobre US$ 300 bilhões em importações da China, que ainda não foram alvo de cobranças punitivas.
Em relação à reforma da Previdência, o texto aprovado na Câmara em segundo turno não foi modificado e segue para o Senado, onde tem de passar pela Comissão de Constituição e Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e ser apreciado em dois turnos. No plenário, é necessário o apoio de 49 dos 81 membros.
O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, reafirmou que a previsão é que o Senado aprecie a Previdência até o dia 30 de setembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia