Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

31/07/2019 - 19h37min. Alterada em 31/07 às 19h39min

Paraguaios vêm ao Brasil discutir preço de energia de Itaipu

Bolsonaro não deu detalhes de como o Brasil pretende proceder nas tratativas com o país vizinho

Bolsonaro não deu detalhes de como o Brasil pretende proceder nas tratativas com o país vizinho


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (31) que seu governo está disposto a "fazer justiça" em meio às discussões sobre um acordo energético com o Paraguai sobre a usina de Itaipu.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (31) que seu governo está disposto a "fazer justiça" em meio às discussões sobre um acordo energético com o Paraguai sobre a usina de Itaipu.
"Nosso relacionamento com o Paraguai é excepcional, excelente. Estamos dispostos a fazer justiça nesta questão de Itaipu binacional que lá é importantíssima para o Paraguai e importante para nós", disse.
O país vizinho vem sofrendo pressão para alterar os termos de um acordo assinado com o Brasil em maio deste ano. O tema levou a uma crise política que já resultou na renúncia de quatro autoridades paraguaias.
O presidente não deu detalhes de como o Brasil pretende proceder nas tratativas com o país vizinho, mas dirigiu elogios a Mario Abdo.
"Ontem eu conversei com o [general Joaquim] Silva e Luna, o presidente da parte brasileira de Itaipu. Estamos resolvendo este assunto. Pode deixar que o Marito [Mario Abdo, presidente do Paraguai] vai ser reconhecido pelo bom trabalho que está fazendo no Paraguai", disse.
Questionado se o Brasil cederia, ele não quis dar detalhes.
"Não é questão de ceder ao Paraguai. Não é meio a meio? A princípio é por ai. As pequenas derivações a gente acerta ai", disse.
As declarações ocorrem em meio a uma crise política no Paraguai que já resultou na renúncia de quatro integrantes do alto escalão do governo daquele país. O chanceler do Paraguai, Luis Castiglioni, e outros três altos funcionários do governo renunciaram na segunda-feira (29).
Na visão de autoridades paraguaias, o acordo energético assinado com o Brasil em maio, que traz diretrizes sobre a energia da hidrelétrica de Itaipu até 2022, seria prejudicial para o país e custaria ao governo US$ 200 milhões.
As distribuidoras Ande (Paraguai) e Eletrobras (Brasil) acordam anualmente a contratação da energia elétrica procedente da usina binacional, uma das maiores do mundo.
As renúncias ocorrem após a decisão do Executivo paraguaio de solicitar a anulação de ata assinada com o Brasil em maio e publicada neste final de semana.
Em março, o presidente Mario Abdo visitou o Brasil e discutiu a revisão de cláusulas financeiras envolvendo a hidrelétrica. À época, o ministro da Fazenda paraguaio, Benigno López, disse esperar que as negociações fossem justas e rápidas.
Na semana passada, o ex-presidente da Ande, Pedro Ferreira, já havia renunciado após discordar dos termos do acordo e se recusar a assiná-lo.
O Congresso paraguaio exigiu uma explicação do governo, enquanto os representantes da Ande se manifestaram em frente ao prédio legislativo com cartazes dizendo "eles não terão paz enquanto violarem a Constituição".
Itaipu, que opera desde 1984, atualmente tem uma potência instalada de 14 mil megawatts. O Brasil consume cerca de 84% da energia da usina, o que representa 15% de toda a energia utilizada no país.
Os países se preparam para negociar o futuro de Itaipu com um importante adendo ao tratado fundador da hidrelétrica, que expirará em 2023.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia