Porto Alegre, segunda-feira, 27 de julho de 2020.
Dia do Despachante.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 27 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Comércio exterior

- Publicada em 15h16min, 15/07/2019. Atualizada em 15h18min, 15/07/2019.

Balança tem superávit de US$ 695,509 milhões na segunda semana de julho

Exportações somaram US$ 4,226 bilhões e as importações US$ 3,531 bilhões no Brasil

Exportações somaram US$ 4,226 bilhões e as importações US$ 3,531 bilhões no Brasil


ABICALÇADOS/DIVULGAÇÃO/JC
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 695,509 milhões na segunda semana de julho. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 4,226 bilhões e importações de US$ 3,531 bilhões. Em julho, o superávit acumulado é de US$ 1,819 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 27,895 bilhões.
A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 695,509 milhões na segunda semana de julho. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 4,226 bilhões e importações de US$ 3,531 bilhões. Em julho, o superávit acumulado é de US$ 1,819 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 27,895 bilhões.
No mês, houve queda de 14,38% na média diária das exportações na comparação com julho do último ano, passando de US$ 1,024 bilhão para US$ 876,63 milhões. No período, houve aumento nas vendas em Produtos Semimanufaturados (5,13%) e recuo nos envios para o exterior em Produtos Básicos (-18,51%) e Produtos Manufaturados (-10,95%).
Já as importações registraram queda de 18,06% na média diária em igual comparação. Elas saíram de US$ 847,774 milhões para US$ 694,7 milhões. As maiores altas no período foram de Aeronaves e peças (292,75%), Farmacêuticos (11,49%) e Instrumentos de ótica/precisão/médico (6,48%). Enquanto isso, as maiores quedas foram: Algodão (-71,26%), Bebidas e álcool (-26,47%) e Cobre e suas obras (-24,01%).
Comentários CORRIGIR TEXTO