Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de julho de 2019.
Dia do Engenheiro Florestal.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/07 às 12h14min

Na contramão de Nova Iorque, Ibovespa acelera queda com temor por Previdência

Estadão Conteúdo
O temor de demora na aprovação da reforma da Previdência gera cautela no mercado, sobretudo na bolsa, nesta sexta-feira (12). O Ibovespa acelerou o ritmo de queda há pouco, perdendo a marca dos 105 mil pontos, após as afirmações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ao chegar à Casa nesta manhã, ele disse que o importante é terminar o primeiro turno da reforma da Previdência nesta sexta. Além disso, afirmou: "não podemos correr risco de ir para o segundo turno e perder a votação", diz. O presidente pretendia votar o segundo turno ainda esta semana. Há instantes, o plenário reabriu a sessão que retomará a votação dos destaques da reforma, cuja sessão estava prevista para às 9 horas.
O temor de demora na aprovação da reforma da Previdência gera cautela no mercado, sobretudo na bolsa, nesta sexta-feira (12). O Ibovespa acelerou o ritmo de queda há pouco, perdendo a marca dos 105 mil pontos, após as afirmações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ao chegar à Casa nesta manhã, ele disse que o importante é terminar o primeiro turno da reforma da Previdência nesta sexta. Além disso, afirmou: "não podemos correr risco de ir para o segundo turno e perder a votação", diz. O presidente pretendia votar o segundo turno ainda esta semana. Há instantes, o plenário reabriu a sessão que retomará a votação dos destaques da reforma, cuja sessão estava prevista para às 9 horas.
A despeito da alta das bolsas em Nova Iorque e na Europa, o Ibovespa caía 0,66%, aos 104.458 pontos, às 12h10min. O dólar à vista cedia 0,05%, a R$ 3,7483. Na renda fixa, os investidores voltam as atenções para o debate acerca da possibilidade de queda da taxa Selic no Comitê de Política Monetária (Copom) deste mês.
Os juros futuros curtos renovaram mínimas e passaram a precificar chance de 68% de o Copom optar por um corte de 0,50 ponto porcentual do juro em julho. Uma redução de 0,25 ponto porcentual ficou minoritário, com probabilidade de 32%, segundo cálculo do Haitong Banco de Investimentos.
Enquanto aguarda novidades sobre a votação dos destaques da reforma da Previdência, os investidores avaliam a informação de que o governo deve anunciar novas medidas que estão sendo desenhadas e serão divulgadas no relatório do dia 22, conforme o secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Ele pontuou nesta manhã de sexta que, nos últimos meses, o Brasil passou por crescimento do número de recuperações judiciais em 2019. Para atuar especificamente sobre esta questão, o secretário anunciou que o governo pretende promover uma "mudança estrutural" no sistema de falência e recuperação de empresas no Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia