Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de julho de 2019.
Feriado em São Paulo - Revolução Constitucionalista.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

09/07/2019 - 08h05min. Alterada em 09/07 às 08h05min

Bolsas da Ásia fecham na maioria em queda, com fornecedores da Apple sob pressão

Estadão Conteúdo
As bolsas asiáticas fecharam na maioria em território negativo nesta terça-feira (9). A expectativa com as ações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) continuaram a influenciar, enquanto investidores também reagiram a fatores locais e os fornecedores da Apple ficaram sob pressão, mas a Bolsa de Tóquio ainda registrou ganho modesto.
As bolsas asiáticas fecharam na maioria em território negativo nesta terça-feira (9). A expectativa com as ações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) continuaram a influenciar, enquanto investidores também reagiram a fatores locais e os fornecedores da Apple ficaram sob pressão, mas a Bolsa de Tóquio ainda registrou ganho modesto.
Na China, a Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,17%, em 2.928,23 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 0,21%, a 1.629,39 pontos. A expectativa de cortes menores no juro dos EUA ao longo deste ano pelo Fed continuou a pressionar ativos no continente asiático. Além disso, continua a haver atenção à perspectiva de novidades nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou baixa de 0,76%, a 28.116,28 pontos. Entre as ações em foco, Geely Automobile fechou em queda de 3,8%, ainda que reduzindo perdas já que durante o pregão chegou a perder 7,6%. O papel tem recuado há quatro pregões, após analistas questionarem a perspectiva de lucros e a empresa ter advertido sobre lucro menor no primeiro semestre. Papéis de companhias do setor de alimentos, de farmacêuticas e de fabricantes de componentes eletrônicos também ficaram em geral em território negativo. Por outro lado, Sands China se destacou, com alta de 1,7%.
Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou com ganho de 0,14%, em 21.565,15 pontos. O movimento de alta foi contido por certa realização de lucros, antes da temporada de balanços local. O iene praticamente estável ante o dólar durante o pregão japonês também ajudou para uma sessão razoavelmente positiva nessa praça. Entre as fornecedoras da Apple, porém, Murata Manufacturing e Taiyo Yuden caíram 1,99% e 3,96%, respectivamente.
Em Seul, o índice Kospi teve baixa de 0,59%, a 2.052,03 pontos, encerrando na mínima do dia. Alguns papéis do setor de tecnologia subiram, mas mineradoras e companhias ligadas ao aço e ao setor de construção recuaram, diante da perspectiva de resultados mais fracos. Analistas disseram que o sentimento foi influenciado ainda por uma disputa comercial entre Coreia do Sul e Japão. Entre algumas ações em foco, Samsung Electronics e SK Hynix subiram 1,6% e 3,6%, respectivamente. Já Hyundai Engineering & Construction caiu 5,1%, enquanto a siderúrgica Posco e a Korea Zinc cederam 1,0% e 1,2%, respectivamente.
Em Taiwan, o índice Taiex fechou em queda de 0,45%, em 10.702,78 pontos.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 fechou em baixa de 0,10%, em 6.665,70 pontos, na Bolsa de Sydney. O resultado local foi influenciado pela piora na confiança das empresas, em junho, em uma pesquisa da NAB. No geral, a pesquisa sugeriu que a economia da Austrália não deve crescer muito no segundo trimestre. Ações de companhias do setor financeiro recuaram 0,3%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia