Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de julho de 2019.
Dia do Padeiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 08/07 às 09h01min

IGP-DI acelera ritmo de alta e fica em 0,63% em junho, afirma FGV

Estadão Conteúdo
O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) acelerou o ritmo de elevação para 0,63% em junho, ante um aumento de 0,40% em maio, divulgou na manhã desta segunda-feira (8) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma elevação de 4,40% no ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 6,04%.
O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) acelerou o ritmo de elevação para 0,63% em junho, ante um aumento de 0,40% em maio, divulgou na manhã desta segunda-feira (8) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma elevação de 4,40% no ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 6,04%.
A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI. O IPA-DI, que representa o atacado, teve avanço de 0,83% em junho, após a alta de 0,52% registrada em maio. O IPC-DI, que apura a evolução de preços no varejo, teve queda de 0,02% em junho, ante um aumento de 0,22% em maio. Já o INCC-DI, que mensura o impacto de preços na construção, apresentou alta de 0,88% em junho, após uma elevação de 0,03% em maio.
O período de coleta de preços para o índice de junho foi do dia 1º ao dia 30 do mês.
O núcleo do Índice de Preços ao Consumidor - Disponibilidade Interna (IPC-DI) de junho desacelerou o ritmo de alta para 0,20%, após aumento de 0,27% em maio.
O núcleo do IPC-DI é usado para mensurar tendências e calculado a partir da exclusão das principais quedas e das mais expressivas altas de preços no varejo. De acordo com a FGV, o núcleo acumulou uma elevação 1,87% no ano. A alta em 12 meses foi de 3,78%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia