Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de julho de 2019.
Dia do Bombeiro Brasileiro.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Indústria

02/07/2019 - 17h49min. Alterada em 02/07 às 18h16min

Metalúrgica de Guaíba anuncia encerramento das operações

Metalúrgica Bringhenti em Guaíba foto reprodução Google Maps

Metalúrgica Bringhenti em Guaíba foto reprodução Google Maps


GOOGLE MAPS/Reprodução/JC
Roberta Mello
O Rio Grande do Sul registrou, nesta terça-feira (2), o terceiro anúncio de fechamento de empresas em dois dias. Depois do encerramento das atividades da planta da Nestlé em Palmeira das Missões e da demissão de 500 trabalhadores com fechamento de fábrica da Duratex em São Leopoldo, hoje foi a vez da Bringhenti Indústria Metalúrgica informar que está fechando.
O Rio Grande do Sul registrou, nesta terça-feira (2), o terceiro anúncio de fechamento de empresas em dois dias. Depois do encerramento das atividades da planta da Nestlé em Palmeira das Missões e da demissão de 500 trabalhadores com fechamento de fábrica da Duratex em São Leopoldo, hoje foi a vez da Bringhenti Indústria Metalúrgica informar que está fechando.
Fundada há 41 anos em Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre, a empresa criada pelo até hoje dono do negócio, Ivânio Bringhenti, é mais uma do segmento industrial a fechar as portas. Ao todo, 17 funcionários foram desligados.
A difícil situação econômica enfrentada no País, que assola profundamente a indústria nacional, foi apontada como o principal motivo para a suspensão das operações. “Optamos por fechar a fábrica enquanto ainda podíamos honrar o pagamento do desligamento dos nossos funcionários”, disse Bringhenti, admitindo profunda tristeza em ter que dar a notícia.
Para continuar operando, a empresa teria de realizar investimentos que, segundo Bringhenti, não valeriam a pena. O Ministério do Trabalho teria orientado que adequações na estrutura e no maquinário fossem feitas. O empresário de 69 anos disse que tentou vender o negócio, mas nenhuma proposta realmente interessante foi feita.
Criada em 1978, a empresa chegou a ter 42 funcionários. A partir de 1980, a metalúrgica passou a prestar serviços de usinagem e recuperação de peças de médio e grande porte para clientes grandes, como a CMPC Celulose Rio-Grandense e o grupo Delga (que desenvolveu projetos para a General Motors – GM). “Fiz parte da reforma do vão móvel da Ponte do Guaíba e participei até de obra na Estação Julio Prestes, em São Paulo”, recorda o empresário.
Bringhenti decidiu empreender no setor metalúrgico quando tinha apenas 28 anos. Hoje, aos 69, diz que já está cansado. A idade avançada e a falta de um sucessor interessado em tocar o negócio também pesaram na hora de tomar a decisão. Bringhenti conta que o filho não demonstrou disponibilidade em assumir o negócio - "talvez por ter visto de perto todas as dificuldades enfrentadas quando se decide empreender".
Enquanto algumas fecham as portas, outras vão no sentido contrário. O ânimo à economia gaúcha vem com dois novos empreendimentos, que devem abrir mais de 1,1 mil novas vagas de emprego ainda em 2019. Serão filiais das redes Atacadão (grupo Carrefour) e Havan (do empresário catarinense Luciano Hang) em Viamão, próximo a Porto Alegre. 
Leia mais:
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia