Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

trabalho

28/06/2019 - 09h42min. Alterada em 28/06 às 14h40min

Desemprego se mantém estável, mas subutilização bate novo recorde

Taxa de desemprego no país ficou em 12,3%, atingindo 13 milhões de brasileiros

Taxa de desemprego no país ficou em 12,3%, atingindo 13 milhões de brasileiros


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A taxa de desemprego no Brasil se manteve estável no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre anterior até fevereiro, mas a subutilização bateu novo recorde, segundo dados do IBGE divulgados nesta sexta-feira (28).
A taxa de desemprego no Brasil se manteve estável no trimestre encerrado em maio deste ano, na comparação com o trimestre anterior até fevereiro, mas a subutilização bateu novo recorde, segundo dados do IBGE divulgados nesta sexta-feira (28).
O número de desempregados no país fechou, no período de três meses até maio, em 13 milhões de brasileiros (12,3% da população), enquanto o contingente dos que não trabalharam ou trabalharam menos do que gostariam passou a compreender 28,5 milhões de pessoas (25%).
O número de trabalhadores por conta própria subiu 1,4% em relação ao trimestre encerrado em fevereiro e também bateu recorde da série histórica, iniciada em 2012, chegando a 24 milhões em maio. A alta em relação ao mesmo período de 2018 é de 5,1%.
A população desalentada -aquela que gostaria de trabalhar mas não procurou emprego no período- também é recorde. São 4,9 milhões de brasileiros nessa situação, estável em comparação com o mesmo período do ano passado e com o trimestre encerrado em fevereiro. O percentual da força de trabalho em desalento é de 4,4%.
De acordo com o IBGE, a renda do trabalhador caiu 1,5% na comparação com o trimestre imediatamente anterior, chegando a R$ 2.289 no trimestre encerrado em maio.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia