Porto Alegre, terça-feira, 28 de julho de 2020.
Dia do Agricultor .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 28 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

trabalho

- Publicada em 16h22min, 27/06/2019. Atualizada em 12h50min, 28/06/2019.

Rio Grande do Sul foi estado brasileiro que mais fechou vagas em maio

Estado registrou o encerramento de 11.207 empregos no mês passado

Estado registrou o encerramento de 11.207 empregos no mês passado


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Amanda Jansson Breitsameter
Em maio deste ano, o Rio Grande do Sul registrou o encerramento de 11.207 empregos, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério da Economia.
Em maio deste ano, o Rio Grande do Sul registrou o encerramento de 11.207 empregos, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério da Economia.
Com o resultado, o RS foi o estado que mais fechou vagas no mês, à frente do Rio de Janeiro (-4.289), Ceará (-1.428), Santa Catarina (-1.159), Alagoas (-746), Rio Grande do Norte (496), Amapá (-283), Maranhão (-106). Todos os demais estados tiveram saldo positivo, com destaque para Minas Gerais (18.380), Espírito Santo (9.384) e São Paulo (6.023), todos da região Sudeste.
Em terras gaúchas, puxaram o resultado para baixo o corte de vagas principalmente nos setores da Agropecuária (-4.234), Indústria e Transformação (-3.932) e do Comércio (-2.636). Tiveram resultado positivo os setores de Extrativa Mineral (52), Administração Pública (16) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (10).
País teve pior resultado para o mês desde 2016
No dado nacional do período, o mercado de trabalho brasileiro criou 32.140 empregos com carteira assinada em maio, o pior resultado para o mês desde 2016, quando foram fechadas 72.615 vagas. O saldo de maio decorre de 1,347 milhão de admissões e 1,315 milhão de demissões. Em maio de 2018, a abertura líquida de vagas havia chegado a 33.659, na série sem ajustes.
No acumulado dos cinco primeiros meses de 2019, o saldo do Caged é positivo em 351.063 vagas. Em 12 meses até maio, o saldo é positivo em 474.299 postos de trabalho.
O resultado do mês foi puxado pelo setor agrícola, que gerou 37.373 postos formais, seguido pela construção civil, que abriu 8.459 vagas de trabalho. Também tiveram saldo positivo no mês o setor de serviços (2.533 postos), administração pública (1.004 postos) e a extração mineral (627 postos). Já o comércio fechou 11.305 vagas no mês passado, assim como a indústria, que teve saldo negativo de 6.136, e os serviços industriais de utilidade pública, com -415. Com informações do Estadão Conteúdo.
Comentários CORRIGIR TEXTO