Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

26/06/2019 - 17h57min. Alterada em 26/06 às 17h57min

Superávit comercial da Argentina sobe e país compra 34,8% a menos do Brasil

As exportações argentinas tiveram aumento de 16,5% em maio, comparado com o mesmo período de 2018

As exportações argentinas tiveram aumento de 16,5% em maio, comparado com o mesmo período de 2018


GASTÓN CUELLO/DIVULGAÇÃO/JC
A balança comercial da Argentina registrou um superávit de US$ 1,373 bilhão em maio de 2019, após ele ficar em US$ 1,131 bi em abril, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) do país. Analistas ouvidos pela Trading Economics previam superávit menor, de US$ 980 milhões. O relatório argentino mostrou forte recuo nas compras de produtos do Brasil, na comparação anual, com modesta baixa também nas exportações argentinas ao mercado brasileiro.
A balança comercial da Argentina registrou um superávit de US$ 1,373 bilhão em maio de 2019, após ele ficar em US$ 1,131 bi em abril, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) do país. Analistas ouvidos pela Trading Economics previam superávit menor, de US$ 980 milhões. O relatório argentino mostrou forte recuo nas compras de produtos do Brasil, na comparação anual, com modesta baixa também nas exportações argentinas ao mercado brasileiro.
Considerando-se toda a balança comercial, as exportações argentinas tiveram aumento de 16,5% em maio, na comparação com o mesmo mês de 2018, a US$ 6,017 bilhão. As importações, por outro lado, recuaram 28,0%, a US$ 4,644 bilhões. O país tem enfrentado grave crise econômica, com recessão e aumento na pobreza e no desemprego, enquanto o peso argentino recua mais de 36% ante o dólar em um ano.
Apenas com o Brasil, o saldo comercial argentino ficou negativo em US$ 211 milhões. A Argentina exportou US$ 810 milhões em produtos ao País em abril, mas importou US$ 1,021 bilhão. As exportações tiveram queda de 3,5% em maio, na comparação com igual mês do ano passado, enquanto as importações recuaram 34,8%.
Os principais sócios comerciais argentinos em abril foram Brasil, China e Estados Unidos, nessa ordem. Em abril, o País foi destino de 83,6% das exportações argentinas para parceiros do Mercosul, aponta o Indec. O Brasil é ainda o principal destino das exportações argentinas em geral, seguido por China, EUA, Vietnã, Chile e Holanda.
 
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia