Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de junho de 2019.
Dia da Indústria Gráfica.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

24/06/2019 - 10h08min. Alterada em 24/06 às 11h15min

Projeção para alta do PIB de 2019 passa para 0,87%, prevê Focus

Estadão Conteúdo
A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 recuou mais uma vez, agora de 0,93% para 0,87%, conforme o Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira (24) pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 1,23%.
A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 recuou mais uma vez, agora de 0,93% para 0,87%, conforme o Relatório de Mercado Focus divulgado na manhã desta segunda-feira (24) pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 1,23%.
Para 2020, o mercado financeiro manteve a previsão de alta do PIB em 2,20%. Quatro semanas atrás, estava em 2,50%.
No dia 14, o BC informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br) cedeu 0,47% em abril ante março. Em relação a abril do ano passado, houve queda de 0,62%.
A projeção do BC para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,0%. Esse porcentual deve ser atualizado nesta semana, na divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Na semana passada, o BC afirmou, no comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom), que os índices recentes de atividade "indicam interrupção do processo de recuperação da economia brasileira nos últimos trimestres".
No Focus agora divulgado, a projeção para a alta da produção industrial de 2019 foi de 0,65% para 0,72%. Há um mês, estava em 1,47%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 2,80% para 3,00%, ante 3,00% de quatro semanas antes.
A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,10% para 56,28%. Há um mês, estava em 56,20%. Para 2020, a expectativa foi de 58,43% para 58,58%, ante 58,40% de um mês atrás.

Estimativa para o IPCA de 2019 passa de 3,84% para 3,82%

Os economistas do mercado financeiro alteraram a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) - o indicador oficial de preços - em 2019 e 2020. O Relatório mostra que a mediana para o IPCA este ano passou de alta de 3,84% para elevação de 3,82%. Há um mês, estava em 4,07%. A projeção para o índice em 2020 foi de 4,00% para 3,95%. Quatro semanas atrás, estava em 4,00%.
O relatório trouxe ainda a projeção para o IPCA em 2021, que seguiu em 3,75%. No caso de 2022, a expectativa também permaneceu em 3,75%. Há quatro semanas, essas projeções eram de 3,75% para ambos os casos.
A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2019, de 4,25%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%). Para 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5 ponto (de 2,50% a 5,50%). No caso de 2021, a meta é de 3,75%, com margem de 1,5 ponto (de 2,25% a 5,25%).
As projeções mais recentes do BC, considerando o cenário de mercado, apontam para inflação de 3,6% em 2019 e 3,9% em 2020. Elas constaram no comunicado da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na semana passada. Na ocasião, o BC manteve a Selic (a taxa básica de juros) em 6,50% ao ano, pela décima vez consecutiva.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia