Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR| CORRIGIR

Aviação

Edição impressa de 18/06/2019. Alterada em 18/06 às 03h00min

Avianca Brasil consegue liberar na Justiça o leilão de seus ativos

A Avianca Brasil conseguiu na Justiça na manhã de ontem a liberação para realizar o leilão de seus ativos, condição indispensável para a companhia aérea cumprir o plano de salvamento financeiro aprovado pelos credores em 5 de abril. Em recuperação judicial desde dezembro, a Avianca Brasil deve mais de R$ 3 bilhões.
A Avianca Brasil conseguiu na Justiça na manhã de ontem a liberação para realizar o leilão de seus ativos, condição indispensável para a companhia aérea cumprir o plano de salvamento financeiro aprovado pelos credores em 5 de abril. Em recuperação judicial desde dezembro, a Avianca Brasil deve mais de R$ 3 bilhões.
O julgamento foi na 2ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Os desembargadores Ricardo Negrão, Maurício Pessoa e Sérgio Shimura analisaram a liminar concedida a um dos credores da Avianca, a operadora de serviços aeroportuários Swissport, e que acabou suspendendo o leilão de ativos, inicialmente previsto para 7 de maio, poucas horas antes do certame.
A alegação da Swissport é a de que o plano de recuperação judicial aprovado pelos credores vai aumentar a concentração de mercado das concorrentes Gol e Latam, que hoje detêm 69% do mercado de aviação civil brasileiro. O julgamento desta segunda-feira teve placar de 2x1 a favor da realização do leilão. O relator do caso, desembargador Ricardo Negrão, que havia concedido a liminar à Swissport, votou contrário à realização do leilão. Os demais, a favor.
A data do leilão ainda está indefinida pois depende da própria companhia aérea e da 1a. Vara de Falências e Recuperações Judiciais da capital paulista, responsável pelo plano de recuperação judicial, acertarem os trâmites para a nova data do certame. A expectativa é que seja nas próximas semanas, dada a gravidade da situação financeira da companhia aérea.
O plano de recuperação judicial da Avianca Brasil prevê a divisão da empresa em sete Unidades Produtivas Isoladas (UPIs), espécies de 'mini-Aviancas' contendo slots e funcionários da companhia. Gol e Latam já concordaram em aportar US$ 70 milhões, cada uma, para adquirir duas dessas UPIs.
 
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia