Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de junho de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR| CORRIGIR

Conjuntura

17/06/2019 - 12h07min. Alterada em 17/06 às 12h22min

Indicador antecedente da economia brasileira cai 0,9%, diz FGV

O indicador atingiu 116,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, apontou FGV

O indicador atingiu 116,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, apontou FGV


JOSÉ PAULO LACERDA/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Brasil
O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (Iace), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,9% de abril para maio deste ano. Com isso, o indicador, que busca antecipar tendências econômicas, atingiu 116,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.
O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (Iace), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 0,9% de abril para maio deste ano. Com isso, o indicador, que busca antecipar tendências econômicas, atingiu 116,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos.
O Iace, divulgado nesta segunda-feira (17), é calculado com base em oito componentes que medem a atividade econômica no Brasil, entre eles o Ibovespa (índice da bolsa de valores de São Paulo) e os índices de expectativas da FGV. Cinco componentes tiveram queda em maio.
Outro índice, o Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mede as condições econômicas atuais, por outro lado, teve alta de 0,7%, passando para 103,8 pontos em maio.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia