Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de junho de 2019.
Dia Mundial do Doador de Sangue.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Tributos

14/06/2019 - 17h27min. Alterada em 14/06 às 17h28min

Eduardo Leite elimina substituição tributária de vinhos e espumantes

Leite disse, durante a Fenavinho, que a meta é remover a ST a partir de setembro deste ano

Leite disse, durante a Fenavinho, que a meta é remover a ST a partir de setembro deste ano


ITAMAR AGUIAR/PALÁCIO PIRATINI/DIVULGAÇÃO/JC
O governo gaúcho eliminou o mecanismo da Substituição Tributária (ST) na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre vinhos e espumantes. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (14) pelo governador Eduardo Leite, ao participar da ExpoBento e Feira Nacional do Vinho (Fenavinho), em Bento Gonçalves. 
A medida atendeu à reivindicação de empresários do setor e dirigentes públicos dos municípios produtores, como Bento Gonçalves, que alegavam custos maiores com o mecanismo devido aos preços menores das bebidas nas demais unidades da federação. Pela ST-ICMS, o fabricante recolhe também a parte que é devida pelo distribuidor ou varejo. 
Leite informou que as medidas para a remoção do sistema de cobrança sobre vinhos e espumantes devem ser concluídas em julho, pois exigirá alteração nos protocolos do tributo celebrados pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que todas as unidades da federação. 
A meta é deixar de aplicar a ST nas operações internas a partir de 1º de setembro deste ano. Será necessário publicar os atos normativos para ser validada a eliminação do mecanismo. Nada vai mudar nas operações interestaduais. 
CORRIGIR